sexta-feira, 2 de maio de 2014

Quando eu for pequeno, mãe, quero ouvir de novo a tua voz





QUANDO EU FOR PEQUENO

Quando eu for pequeno, mãe, 
quero ouvir de novo a tua voz 
na campânula de som dos meus dias 
inquietos, apressados, fustigados pelo medo. 
Subirás comigo as ruas íngremes 
com a certeza dócil de que só o empedrado 
e o cansaço da subida 
me entregarão ao sossego do sono. 

Quando eu for pequeno, mãe, 
os teus olhos voltarão a ver 
nem que seja o fio do destino 
desenhado por uma estrela cadente 
no cetim azul das tardes 
sobre a baía dos veleiros imaginados. 


Quando eu for pequeno, mãe, 
nenhum de nós falará da morte, 
a não ser para confirmarmos 
que ela só vem quando a chamamos 
e que os animais fazem um círculo 
para sabermos de antemão que vai chegar. 

Quando eu for pequeno, mãe, 
trarei as papoilas e os búzios 
para a tua mesa de tricotar encontros, 
e então ficaremos debaixo de um alpendre 
a ouvir uma banda a tocar 
enquanto o pai ao longe nos acena, 
lenço branco na mão com as iniciais bordadas, 
anunciando que vai voltar porque eu sou 
                                                       [pequeno 
e a orfandade até nos olhos deixa marcas. 



in "O Livro Branco da Melancolia"
Poema retirado de 'O Citador'

Imagem: Tela de Manuela Batista, a partir de foto publicada aqui
Blogue: Histórias com mar ao fundo

22 comentários:

  1. Olinda

    grata pelo seu comentário no meu blogue

    claro que pode usar a imagem a que se refere, peço apenas que identifique a autoria da pintura e da foto que penso ser do blogue "diários de lisboa", pois para desenhar a mãe e o filho foi com autorização do autor

    um abraço

    ResponderEliminar
  2. A imaginação, torna-se mágica, quando necessitamos rememorar a infância tão distante e os momentos prazerosos...Tudo aí, nessa magnifica poesia de José Jorge Letria (que, antes, eu não conhecia...). Obrigada, por me apresentar a ele, querida amiga Olinda.
    Tenha um ótimo final de semana.
    Beijos,
    da Lúcia

    ResponderEliminar
  3. Como gostaria de ser pequeno (de novo) e partilhar o magnífico diálogo Poético do JJ Letria!...
    Os sentidos rebuscam-se, em si mesmos, na esperança (vã) de reencontrar a Mãe que já partiu e afastar a morte que a levou.
    Magnífico.


    Beijos



    SOL

    ResponderEliminar
  4. Engraçado, gosto dos escritos de José Jorge Letria( casado com uma amiga minha de Liceu), mas não de o ouvir cantar...

    Querida Olinda, um bom final de semana, rrss

    ResponderEliminar
  5. Adorei este poema,Olinda! Muito obrigada! Vim especialmente para te desejar também um feliz dia das mães. Também nunca entendi a mudança para o1º domingo de maio; no Brasil é no 2º e também não entendo a data. Poderia ser no dia da Srª Aparecida, a padroeira do Brasil, mas não é. Coisas do consumismo com certeza. Mas não importa, o que interessa é que seja mais um dia para lembrarmos a importância da Mãe na família Tenho a minha mãe no Brasil e no 2º Domingo falarei com ela pelo telefone. Melhor que nada e graças a Deus que ainda a tenho cá. Parabéns, Olinda ! Um beijinho e desejo que tenhas um dia feliz junto dos que mais amas.
    Emília

    ResponderEliminar
  6. Minha querida Olinda
    Que maravilhoso poema! Não conhecia... e adorei!
    A tela da nossa Manela também é muito bonita.
    Resumindo... uma postagem digna do dia que hoje se comemora.

    Um muito feliz Dia da Mãe, minha querida.
    Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  7. Um Poema lindíssimo ! Adorei !
    Feliz Dia da Mãe!

    ResponderEliminar
  8. Que bonito!!!
    Era bom que o dia da mãe se comemorasse sempre, até à velhice, cuidando delas como cuidaram de nós em pequenos.
    Beijinhos, bom domingo!

    ResponderEliminar
  9. Oi Olinda!
    Que poema maravilhoso, eu ainda não conhecia.
    A imagem esta divina também.
    Bonita homenagem as mês.
    Desejo um Feliz e abençoado Dia das Mães.
    Beijos e ótimo domingo, ótimo dias!

    ResponderEliminar
  10. Dificilmente se lê este poema sem que paire um véu de lenta nostalgia.
    Uma escolha belíssima, Olinda.
    Feliz dia das Mães
    Bjis

    ResponderEliminar
  11. Com muito carinho mesmo atrasada
    venho te deixar um abraço pelo dia das mães.
    Uma abençoada semana beijos meus.
    Evanir.

    ResponderEliminar
  12. MÃE...palavra tão curta
    mas apenas no escrever!
    MÃE...palavra que exulta
    o sentido de viver!

    Já partiste minha MÃE!
    Estejas onde estiveres
    Sabes que os teus saberes
    Deixaste-os comigo...MÃE

    ResponderEliminar
  13. (^‿^) ❀❀ ✿ ❁

    MERCI pour cette très jolie publication chère Olinda !
    Je suis toujours ravie de venir visiter ton blog !

    GROSSES BISES d'Asie jusqu'à toi et bonne journée !

    ResponderEliminar
  14. Olá amiga Olinda!
    J.J. Letria é um grande senhor da literatura portuguesa que não dá muito nas vistas. Um bela escolha esta. O poema leva-me para a minha infância...e para o colo de minha mãe.
    Um afectuoso abraço e obrigada pelas visitas aos meus humildes blogs.

    ResponderEliminar
  15. Maravilhoso texto. Eu também ouvia a voz de minha mãe quando era pequena...
    Que saúde. Fiquei muito comovida.
    Bj. amiga.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  16. No espelho das águas

    tudo é mais claro

    ResponderEliminar
  17. Um poema de inegável beleza. Por vezes alguns poetas andam arredados...que bom o Xaile envolver-nos neles!

    Beijinho, querida Olinda.

    ResponderEliminar
  18. Um belíssimo poema de alguém que eu considero como um dos grandes poetas da actualidade.
    Pena que não tenha neste país o devido destaque.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  19. Muito belo o trabalho que ilustra sua postagem. Os versos, grandiosos. Seremos sempre pequenos aos olhos das mães, cuja ausência é irreparável. Bjs.

    ResponderEliminar
  20. Belo texto.
    E uma vontade de ser pequeno de novo.

    Luanda.
    dosamoresmeus.blogspot.com

    ResponderEliminar