sexta-feira, 30 de maio de 2014

On n'a de droit que sur les choses pour lesquelles on a souffert

A sombra das chamas, como um ninho de víboras, floria de remorso - mas que remorso? - e de saudade absurda a alvura em fuga da parede caiada, apojada de grumos que aquele luzeiro avolumava e que sempre eram, um por um, na hora da solidão, referências aos segredos antigos.
Uma pequena fogueira num cinzeiro de louça. Apenas um papel a mirrar, já negro, encarquilhado, e sangrando ainda, pelo canto que sobrava, aquele resplendor de uma última e cínica despedida. Não iria estalar o cinzeiro? Os dedos brancos, mas já envelhecidos pela barrela e pelas frieiras, pegaram, com jeito, na folha quase consumida, voltaram para cima o clarão ameaçador, que logo minguou.
Em breve, soltando-se da mão fanada, que prudentemente se retirava, o resto da carta caiu de novo, com o seu rasto de lume a extinguir-se, fantasma já dominado, na concha de louça.
Ficou só um castelo de cinza crepitando mansamente, num silêncio de redoma. Como era doloroso ver arder uma carta: era como se ardesse também alguma coisa, ainda alguma coisa, de quem a mandara! Numa extremidade do papel carbonizado, tenazmente, ou já só ilusoriamente, viva, continuava a afirmar-se, airosa e egoísta, uma assinatura que parecia sorrir daquele sacrifício: Delfino!



Da vasta obra de Urbano Tavares Rodrigues, retiro este livro, Bastardos do Sol, 1959, e leio a primeira página e parte da segunda, excertos transcritos acima. E reparo que antes das páginas referidas e mesmo antes da dedicatória, À memória de Jaime Cortesão, vem a citação que serve de título a este post: On n'a de droit que sur les choses pour lesquelles on a souffert, de Robert Montesquiou, homem de letras, um esteta, que Marcel Proust elegeu como o professor da beleza de toda uma geração. Voltando à citação, estou em crer que terá muito a ver com o desenrolar da vida das personagens de Bastardos do Sol. Para o saber vou reatar a leitura no ponto em que a deixei. 

Chama-me a atenção um pequeno volume intitulado, Os poemas da minha vida, com poemas de vários autores e que se encontram entre as preferências de Urbano. Ele diz (prefácio da 1ª edição): Não sei bem quando comecei a ler poesia. Creio que principiei a amar as cantigas paralelísticas da nossa Idade Média muito antes de as ler, ao ouvir as modas alentejanas dos ranchos que saíam para os olivais, na apanha da azeitona.
Folheio-o e encontro poemas que também a mim me encantam e retenho:

O BEIJO (Paul Éluard)

Ainda toda quente da roupa tirada
Fechas os olhos e moves-te
Como se move um canto que nasce
Vagamente mas em toda a parte

Perfumada e saborosa
Ultrapassas sem te perder
As fronteiras do teu corpo

Passaste por cima do tempo
Eis-te uma nova mulher
Revelada até ao infinito.

Ou Cristalizações, Cesário Verde, do qual insiro esta passagem:

Pede-me o corpo inteiro esforços na friagem
     De tão lavada e igual temperatura!
     Os ares, o caminho, a luz reagem;
     Cheira-me a fogo, a sílex, a ferragem;
     Sabe-me a campo, a lenha, a agricultura.
     
E ficaria assim a acompanhá-lo, desde a primeira à última página, nesta selecção poética que, com tanto amor, produziu.




Dum manuscrito, diário de Urbano Rodrigues, saltam estas palavras, perfumadas: Simpatizo com a forma deste caderno. Estas coisas para mim teem importância: gosto do papel sedoso e das folhas ligadas.
Levantei-me há pouco e estou sem grande ânimo para me levantar. A Zita foi à praça. Tenho ainda as luzes acesas, embora a claridade do dia entre no quarto, através duma greta da janela. (...)

E termino aqui, de momento, esta viagem ao mundo de Urbano Tavares Rodrigues. A si, caro/a visitante, que acaba de me acompanhar nestas leituras parcelares, se quiser continuar para um maior aprofundamento, faço-lhe saber, se é que não sabe já, que está a decorrer, até 28 de Junho, na Biblioteca Nacional, uma Mostra da vida e obra deste grande autor da História Literatura Portuguesa do século XX, falecido em 2013.


17 comentários:

  1. O primeiro livro que li de Urbano foi "Bastardos do Sol" e , depois, poucos livros dele não li.

    Tive o imenso gosto de termos uma relação de amizade, dada a sua generosidade e disponibilidade para com o ser humano.

    Cesário agrada-me muito e coloquie recentemente um poema dele no blogue, Éluard conheço pouco.

    Querida Olinda, bom resto de dia :)

    ResponderEliminar
  2. Não te tenho acompanhado com a atenção do costume, querida amiga, embora tenha passado por aqui quase todos os dias. Ando com umas " obrazitas " cá em casa e nem sempre tenho acesso ao escritório. Peço por isso, amiga, a tua compreensão que, sei, a terei.Não gosto nada de obras, mas um apartamento com 30 anos, começa a exigi-las. Há sempre muito a aprender por aqui e já apontei o nome deste livro para ver se o leio. O título que deste ao post e que consta na dedicatória do livro soa-me interessante, se é que o meu francês não me atraiçoa: " só se tem direito sobre as coisas pelas quais se sofreu. " É...se lutámos e se sofremos por aquilo que quisemos, e conseguimos o direito a elas é todo nosso.
    Quanto ao livro de Almeida santos, também deve ser muito interessante. Vai tratar de assuntos que hoje pouco se fala, mas que fizeram sofrer muita gente, tanto durante a guerra colonial quanto na descolonização. O meu irmão e o meu marido estiveram na Guíné e estavam já a acabar o tempo deles quando se deu o 25 de Abril. A alegria foi tanta que confraternizaram todos juntos os, no dia anterior considerados inimigos e os portugueses; foi uma festa onde só estavam seres humanos felizes pelo mesmo motivo, o fim de uma guerra em que nenhum dos lados.estava interessado. A descolonização foi outra dor; não sei se poderia ter sido amenizada, fazendo a descolonização de outra forma,; há quem diga que foi a possível, mas...não sabemos... a certeza que temos é que em qualquer guerra o sofrimento é sempre muito grande durante e depois. Mas o que é facto é que elas continuam, Olinda e nós pouco podemos fazer. minha amiga, obrigada pela partilha de tantos conhecimentos sobre a nossa literatura e cá estarei para te acompanhar sempre que possível Um beijinho e um bom fim de semana
    Emília

    ResponderEliminar
  3. Tanta coisa para aprender com este senhor!

    ResponderEliminar
  4. (^‿^) ❀

    Coucou chère Olinda !!!

    Je passe déposer chez toi de gentilles pensées.

    J'aime cette publication ! Elle est belle et elle fait réfléchir. MERCI beaucoup.

    GROSSES BISES d'Asie
    et bonne continuation ! :o)

    ResponderEliminar
  5. Cara amiga Olinda!
    Tenho andado um tanto longe daqui...por falta de saúde e tempo...estou cada vez mais lenta. Hoje percorri publicações anteriores, todas elas recheadas de conhecimento profundo dos nossos grandes escritores. A publicação de hoje é uma aula riquíssima e variada de literatura. U. T. Rodrigues um excelente autor, um pensador, um ser humano de fino trato. Depois a poesia de P. Éluard...C. Verde e tudo isto nos é servido com sabedoria e arte. Esta lição fez-me regressar um pouco aos meus tempos de estudante de literatura. Obrigada pela partilha. Bom domingo.

    ResponderEliminar
  6. Obras que nos prendem os olhos e os coração.
    São frutos silvestres amadurecidos no tempo e que conservam o sabor genuíno.
    Preciso de tempo para beber desta fonte onde as palavras pesam pela verdade e são leves como anjos que nos animam.

    ResponderEliminar
  7. Não sou conhecedor tão profundo.....mas gostei muito de ler o Post
    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Está aqui quase tudo o que me construiu «por dentro»...na faculdade de Letras...ouço-te na voz de alguns dos meus mestres!
    Obrigada, querida Olinda.

    Beijo

    ResponderEliminar
  9. Todos nós guardamos na lembrança
    um momento bom com um amigo.
    Na memória as lembranças daqueles
    que souberam nos conquistar.
    Não se trocam as amizades, conservam-se os amigos
    para compartilhar as alegrias e possível tristezas .
    Meu carinho e agradecimento .
    uma abençoada semana beijos no coração.
    Carinhosamente..Evanir..

    ResponderEliminar
  10. Vou levantar-me e dar 2 passos até à estante, a ver o que tenho e li de Urbano Tavares Rodrigues... "A hora da incerteza", "A noite roxa" e "Estrada de morrer". Creio que só li ainda "A noite roxa", mas a minha memória nada reteve, apenas me recordo mais ou menos do "tom" do romance. A reler quando terminar "As pequenas memórias" de Saramago!
    Beijinhos, boa semana!

    ResponderEliminar
  11. Um momento alto na poesia portuguesa.

    Como são belos os pensamentos, poemas, prosas.

    As palavras sempre têm encantamentos escondidos

    Beijos

    ResponderEliminar
  12. Esta poucas palavras escritas, sabem a pouco, soam a vivência e têm odores de terra molhada.
    Homenageias os Mestres e compartilhas, connosco, as tuas escolhas e referências.
    Belo, Amiga.

    Beijos


    SOL

    ResponderEliminar
  13. Querida Olinda
    Com esta postagem excelente fizeste nascer em mim o desejo de (re)ler Urbano T. Rodrigues, esse grande escritor, jornalista, poeta... enfim, um Homem que "tocava" com mestria todos os instrumentos da palavra escrita.
    Não tenho o livro que referes aqui - Bastardos do Sol - que comprarei logo que for à Livraria (o que faço com frequência).
    De momento estou a ler (mas quase a acabar) "A Padeira de Aljubarrota" de Maria João Lopo de Carvalho - um belíssimo livro histórico (adoro História em qualquer forma - romance, cinema, teatro...). São quase 600 páginas de puro prazer. Quando terminar.. volto-me para o Urbano.
    Obrigada pela partilha e "alerta" :)

    Uma semana excelente.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Gostei da tua viagem ao mundo de Urbano Tavares Rodrigues.
    Um magnífico post, que, se mais virtudes não tivesse, tem o mérito de despertar a curiosidade dos que nunca leram o Urbano. E entrar no mundo literário do autor vale bem a pena, acrescento eu.
    Boa semana, querida amiga Olinda.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  15. É um escritor que retrata bem o povo português, o simples e genuíno!
    Beijinhos, bom noite!

    ResponderEliminar
  16. Você me proporcionou momentos de grande prazer com a leitura da postagem. A forma como ele descreveu os últimos instantes daquela carta, os versos... tudo maravilhoso. Um escritor que merece aplausos. Bjs.

    ResponderEliminar