terça-feira, 29 de agosto de 2017

I giorni della settimana

-Settimana. Gosto desta palavra. Coloca-nos logo no número exacto de dias de uma semana. Há muito que quase nos esquecemos que uma semana tem sete dias com a história dos dias úteis que são cinco. E porquê úteis? será que sábado e domingo são dias inúteis? É por isso que gosto quando os italianos se referem aos dias de trabalho como giorni lavorativi. Não há que enganar.

Assim discorria o elemento mais velho da família com a propriedade que a antiguidade lhe conferia, a propósito dos chamados dias de semana ou dias úteis que alguém deixou escapar.


Estávamos no terraço a aspirar por algum fresco que eventualmente nos quisesse visitar. Por comum acordo, novos, velhos e assim assim tínhamos colocado os telemóveis e outros aparelhos electrónicos num cesto, de modo a não nos desviarem do nosso convívio dominical. Por isso, nada de facebooks, twitters ou quejandos.

Com o rumo que a conversa levava, um dos meus sobrinhos lembrou-se das semelhanças dos dias da semana em francês, espanhol e italiano. E lá recitou: 
para o francês temos: dimanche, lundi, mardi, mercredi, jeudi, vendredi, samedi; para o espanhol: domingo, lunes, martes, miércoles, jueves, viernes, sábado; para o italiano: domenica, lunedì, martedì, mercoledì, giovedì, venerdì, sabato.

- Palmas para tão grande declamador. 
E nosso mais velho, referido acima, ainda comentou:
Vá lá, ao menos sabes que domingo é o primeiro dia da semana.

Então a minha filha interpelou o nosso sábio
Olha lá, e em português porque é que, sendo também um idioma de origem latina, os dias da semana são tão diferentes? 
- Ah! Isso já não sei. Também não tenho que saber tudo, não achas? Já agora o que é que sabes sobre isso?
- O que eu sei é que tem a ver com feria, dia de descanso, para os cinco dias a que chamamos dias de trabalho ou dias úteis...Giro, não é? Olha, pesquisa!




-Boa! Esta é a parte em que podemos ir buscar os telemóveis para ver como é ... - exclamou o benjamim. 
-Os telemóveis não, um telemóvel e já é muito ou então uma enciclopédia- admoestou o pai

E o que é que descobrirão os nossos diligentes pesquisadores? Declarou-se, então, aberta uma caça ao tesouro. Todos debruçados sobre o telemóvel de serviço, lá partiram para esse desbravamento.

Voltaremos. Mas, entretanto, o nosso querido leitor o que nos poderá dizer sobre o assunto?

De assinalar, a despropósito do tema deste post, que o tempo refrescou, graças a Deus. Já choveu. Apesar da tendência para as inundações, com as sarjetas entupidas como é hábito, a chuvinha de hoje soube que nem uma bênção.

Desejo-vos uma boa terça-feira.

====
Imagens: Pixabay

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Lugares da infância






Lugares da infância onde
sem palavras e sem memória
alguém, talvez eu, brincou
já lá não estão nem lá estou.

Onde? Diante
de que mistério
em que, como num espelho hesitante,
o meu rosto, outro rosto, se reflecte?

Venderam a casa, as flores
do jardim, se lhes toco, põem-se hirtas
e geladas, e sob os meus passos
desfazem-se imateriais as rosas e as recordações.

O quarto eu não o via
porque era ele os meus olhos;
e eu não o sabia
e essa era a sabedoria.

Agora sei estas coisas
de um modo que não me pertence,
como se as tivesse roubado.

A casa já não cresce
à volta da sala,
puseram a mesa para quatro
e o coração só para três.

Falta alguém, não sei quem,
foi cortar o cabelo e só voltou
oito dias depois,
já o jantar tinha arrefecido.

E fico de novo sozinho,
na cama vazia, no quarto vazio.
Lá fora é de noite, ladram os cães;
e eu cubro a cabeça com os lençóis.

 In: "Um sítio onde pousar a cabeça"

       (1943-2012)


====

Poema: Citador
Imagem:pixabay

terça-feira, 15 de agosto de 2017

A Princesa Perfeitíssima e as Misericórdias (iv)

Eis-nos chegados a 15 de Agosto de 2017. Há sessenta dias fomos confrontados com notícias estarrecedoras. Lavravam-se incêndios em Pedrógão Grande que se estenderam a outras localidades, nos quais perderam a vida sessenta e quatro pessoas, encurraladas pelo fogo e pelo fumo, num sofrimento atroz.


Seguiram-se, como sabemos, debates e mais debates sobre as responsabilidades, as incúrias, as incompetências. O povo, solidário, desdobrou-se em actos de solidariedade. Eu, pessoalmente, não sei se essas ajudas já chegaram em pleno aos sobreviventes.

Todos os dias deflagram-se novos incêndios. Todos os dias vemos a aflição das pessoas que deitam mão a tudo para se defenderem dessa praga: mangueiras, baldes, pás, sem equipamento, só com a roupa que trazem no corpo, desamparados, perdidos no meio dessa desgraça. Bombeiros extenuados, gente descrente de tudo. Uma situação de calamidade pública que parece não ter fim, não se sabendo donde vem nem para onde vai. O que fazer?


Em 15 de Agosto de 1498, uma Mulher chamada Leonor, Rainha, coadjuvada por almas caridosas entre elas Frei Miguel de Contreiras*, iniciou uma obra que haveria de crescer e abranger todo o País, ao instituir uma Irmandade de Invocação a Nossa Senhora da Misericórdia, com sede na Sé de Lisboa. Ela teve o cuidado de que essa instituição contasse com cem homens de boa fama e sã consciência e vida honesta assumindo o compromisso de ajudar os mais desfavorecidos. O Compromisso originário da Misericórdia de Lisboa foi aprovado pelo Rei D. Manuel I e confirmado pelo Papa Alexandre VI.

São 397 as Misericórdias Nacionais e por aquilo que li regem-se pelos mesmos princípios, isto é, tendo na sua missão o objectivo de cumprirem as 14 Obras da Misericórdia que referi num dos primeiros posts, cuidando tanto do espírito como do corpo.

E então digo, apropriando-me das palavras de Martin Luther King: I have a dream. É o sonho de que apareça quem tome nas suas mãos as dores dos desvalidos, as dores de quem não tem para onde ir, que se vê acossado, que não tem um momento de descanso, que vê os seus entes queridos perecerem, que se vê açoitado por elementos da natureza ou por mão criminosa. 

Nos meus sonhos revejo a Rainha Dona Leonor** a desfazer-se das suas jóias para ajuda nas suas obras de misericórdia, colocando o bem-estar dos desfavorecidos acima das vaidades deste mundo. Li que a palavra misericórdia quer dizer "dar o coração" e é nesta óptica que vejo as Misericórdias a responderem presente neste momento de grande sofrimento, pondo de lado burocracias que embotam os sentimentos. Isto, sem querer pôr em causa as obras meritórias que essas instituições desenvolvem na sociedade.
Urge que uma entidade, livre da pesada máquina do Estado, vá para o terreno prestar apoio atempado e efectivo nesses casos de calamidade pública.

====
*Maria de Lourdes Amorim apresenta-no-lo como co-fundador.**Referi no post anterior a suspeita sobre o envenenamento de D.João II. Ficou provado que este rei morreu vítima de um ataque de urémia, por sofrer de nefrite crónica. p.149

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

A Princesa Perfeitíssima e as Misericórdias (iii)

À Rainha Mecenas

DONA LEONOR DE LANCASTRE






Marés de Mim

- As minhas mãos são jangadas
que se embalam descuidadas
à flor das marés de mim.
Trazem sal e maresia,
distância e melodia
dum navegar sem fim.


As minhas mãos são saudade,
são poentes de eternidade
que rezam o sonho e a miragem.
Trazem as velas ao vento,
nos mastros do meu lamento
ao crepúsculo da viagem.

De gestos e madrigais,
fiz minhas algas e corais
na praia da minha vida.
No silêncio das madrugadas
canto as horas paradas
cheias de melodia perdida.

E quando no cais ancorar
com vagas de solidão que invento,
trago por dentro do Tempo
o pouco de Tudo, o tudo de Nada
que a brisa de minha alma salgada
trouxe do ventre do mar...


-As minhas mãos são jangadas
que se embalam descuidadas
à flor das marés de mim.
Trazem sal e maresia,
distância e melodia
dum navegar sem fim.

Maria de Lourdes Amorim




Poema extraído das páginas 153 e 154 da obra desta autora com o título: "D.Leonor de Lancastre - Grande Senhora do Renascimento". 

A dado passo lê-se que Dona Leonor pacificou, modernizou, reformou tudo, numa revolução total: religiosa, assistencial, artística e intelectual, à medida do seu espírito de Mulher de alta cultura, visão atlântica, engenho, arte e poesia.

Para além de ter instituído e organizado a Misericórdia de Lisboa, a Rainha Dona Leonor fundou, dotou e organizou o Hospital das Caldas da Rainha, o Convento da Madre de Deus em Xabregas, o Convento da Anunciada em Lisboa, a Igreja de Nossa Senhora de Merceana, as Capelas Imperfeitas do Mosteiro da Batalha e sete merceeiras no Convento de S. Agostinho, diz-nos por sua vez Maria do Carmo Romão* no prefácio à referida obra.

-Perdoem-me os meus queridos leitores que já por aqui passarem. Vou acrescentar algumas informações que me parecem de inserir neste post:

Portugal encontrava-se no período áureo dos descobrimentos e, em breve, tornar-se-ia a nação mais rica e poderosa da Europa, reprodução das palavras de Mário G. Viana, "D.Leonor", citado por Maria de Lourdes Amorim. A seguir, a autora continua com palavras suas referindo o espírito aberto e lúcido da Rainha-mecenas sempre atenta ao que a rodeava. E, a propósito, diz isto: Na sociedade portuguesa quinhentista, a galeria ilustre de artistas feita de arquitectos, pintores, imaginários, poetas, trovadores e físicos, recebeu a protecção e o seu inteiro apoio. Foi sua Alteza que "poderosamente contribuiu para revelar ao mundo o génio de Gil Vicente".

Espantemo-nos mais uma vez:

...à volta do seu nome foi levantada, pelo escritor e historiador Anselmo Braancamp Freire, a suspeita de que D.João II fora envenenado a mando da rainha e de seu irmão D. Manuel I. 

Voltarei com mais um post.

====

Obra referenciada:
D.Leonor de Lancastre - Grande Senhora do Renascimento, de Maria de Lourdes Amorim. Ed.Ésquilo - Chancela da Santa Casa Casa da Misericórdia de Lisboa, V Centenário (1498-1998)

21ª Provedora da Santa Casa de Misericórdia de Lisboa

1ª imagem - Estátua em Beja
2ª imagem - Armas da Rainha, em casada
3ª imagem - Brasão das Caldas da Rainha

segunda-feira, 24 de julho de 2017

A Princesa Perfeitíssima e as Misericórdias (ii)

Os historiadores atribuíram o título de Princesa Perfeitíssima a Leonor de Avis ou de Lencastre, inspirados no cognome de Príncipe Perfeito por que ficou conhecido D. João II, mas também pelas suas excelentes qualidades, reveladas, nomeadamente, nas áreas social e cultural.

Prometi, no post anterior, avançar um pouco mais neste tema e eis-me aqui a fazê-lo.

Ao abrir a obra "As Misericórdias", de Costa Goodolphim, de 1897, fac-similada, deparo-me com um prólogo dedicado à Caridade, que o autor pretende apresentar como sendo a força motriz da alma portuguesa. Um panegírico aos Reis, Rainhas e povo, excelsos na sua forma de praticar essa instituição. Vejamos algumas frases soltas da sua exposição, a qual começa com uma citação de Garrett, (penso que se tratará do nosso Almeida Garrett):

Em nenhum paiz da terra ha instituição philantropica superior ou igual. Garrett


Continuando com o prólogo:

As paginas d'este livro são tributo ao mais formoso sentimento do coração humano.

O que é a caridade?

A caridade não é só a esmola que se atira para o seio do desgraçado, quando nas praças e nas ruas nos dirige as suas supplicas.

A caridade tem como missão suprema dar conforto sem vexame, erguer os miseros sem orgulho, tratar o servo como amigo, o operario como irmão, porque todos são filhos do mesmo ramo.

Ao lado do povo, que com a sua grande alma vae com o seu obulo e o seu trabalho erguer e sustentar instituições sympáticas, no seu ideal perfeitamente humano, vimos as rainha e os reis portuguezes levantarem monumentos de caridade, páginas formosas d'esta virtude.

A alma portugueza é a mais compassiva e a mais alevantada no exercicio de piedosa romaria em busca dos afflictos.

Povo que tem alma tão grande e tão alevantada, como sempre aberto á dor alheia, como se propria fosse, esse povo é grande e tem o primeiro logar na historia da humanidade.

A seguir, comecei a ler o primeiro capítulo que é dedicado à Misericórdia de Lisboa cuja fundação, como vimos no primeiro post, é atribuída à Rainha Dona Leonor. Para o meu espanto, Costa Goodolphim põe a tónica em Frei Miguel de Contreiras, e coloca esta questão: 

Como se fundou a Misericórdia de Lisboa?

Tendo como fonte a Chronica da Santissima Trindade, o autor traça o perfil caritativo de Frei Miguel Contreiras, orador popular,  "pae dos pobres", que, vendo o desamparo em que se achavam muitos enfermos pelos adros das igrejas e arcos do Rocio, intentou fazer um hospital para os recolher e tratar, tendo sido ele o instituidor da irmandade da Misericórdia de Lisboa. Seguindo esta linha, ele foi a alma, a cabeça pensante, embora tivesse contado com companheiros cujos nomes são indicados no livro. Confessor da Rainha, pediu-lhe o seu apoio.

Mas, espantemo-mos de novo:

Aqui, o jornal i * diz que a história de Frei Miguel Contreiras é uma história mal contada, que o frade espanhol pode nunca ter existido e que não passará de uma fraude histórica.

E esta, hein?!!!

Voltarei.

====

Obra citada: "As Misericórdias", de Costa Goodolphim.
Em bold - Excertos do Prólogo, pags: entre 5 e 13
De referir que o autor procura fazer uma análise
histórica através de outros documentos.

* A história do frade que é fraude