sexta-feira, 10 de março de 2017

Poesia por Alepo

Um grupo de escritores portugueses teve a louvável iniciativa de publicar um livro com poemas seus com o objectivo de o produto da respectiva venda ser entregue à Unicef para minorar o sofrimento das crianças de Alepo que se vêem sem apoio, órfãs e desvalidas.

O livro foi apresentado a 4 de Fevereiro e tem este título: Cinco Lágrimas por Alepo. 

Dele vou retirar dois poemas que abaixo transcrevo:





Choro por ti, mártir Alepo.
O teu coração já não bate porque to arrancaram a toda a hora, 
em cada filho, na combustão das valas, onde agora mora.
Já não te pertence o teu sol soalheiro.
Anoitecem-te com o fumo ácido dos morteiros.
Gota a gota te mirram as crianças que em ti cresciam
e que agora atravessam a poeira dos escombros
outrora parte do colo onde adormeciam.
No desnorte do teu horizonte se ergue o teu nome,
escrito com teu sangue, algures no monte.

Na Abóbada que te cobre acolhe-se a Alma de que és parte.

Na potência dos fortes, querem-te sumindo.
Resiste, Alepo.
Só a putrefação serve aos abutres famintos.

Manuela Barroso (a nossa querida amiga do "Anjo Azul"-clique no nome, p.f.)

pg. 45

====


"o medo não podia ter tudo..."

ALEPO

Cidade fantasma.
Destruição, fome, desespero...
São milhares, fogem da guerra
de mãos vazias e as memórias nos escombros.
No rosto vazio, triste e macerado das crianças
há um grito mudo - urge acordar o Mundo!
Só a voz das armas se faz ouvir...
Enquanto houver ditadores, tiranos e fundamentalismo
a humanidade estará em perigo.

José Efe

pg.57


O livro tem 120 páginas. A lista dos contribuidores é imensa.
Em "Notas Iniciais", Conceição Lima diz isto:

Um dia, li no Jornal Público: Em Alepo, contam-se os dias para a morte".
Colei esta frase no meu mural. Choveram poemas, em reação! Tornou-se vaga alterosa, incontrolável, irreprimível! Formou-se uma onda! Há ondas que nascem  e se formam, sem que se preveja o movimento em que se desenham e avançam. A Ciência as explica, a poesia as preenche.(...)

António Gaspar deu-me o empurrão!Demos as mãos!
Cá estão elas - AS CINCO LÁGRIMAS POR ALEPO!
Desaguam agora, num grito comum, cumprindo o "dilúvio" que António Gaspar prenunciara...
(...)


E António Gaspar Cunha, também ele poeta, numa reflexão sobre a civilização e a escravidão intelectual que "Os Senhores" do mundo nos querem impor, fala do livro assim, a dado passo:
"O que daqui emana são as almas dos poetas. Almas que choram, que gritam, que clamam esperança e que por vezes sorriem. É um livro de poesia de uma beleza erguida passo-a-passo; são choros, sob a forma de poemas, que se juntam até formar um dilúvio de esperança."


====
Título / Cinco lágrimas por Alepo
Autor / Vários autores
Género / Poesia
Capa / António Gaspar Cunha
Paginação / António Gaspar Cunha

1ª edição - Gráficamares, LDA


21 comentários:

  1. Já comprei e já li amiga. Tive conhecimento no blogue da Manuela, logo de início.
    Tinha até pensado que o próximo post a seguir ao dia da mulher seria com poema deste livro.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Conceição Lima14/03/2017, 00:18:00

      Obrigada!!!!As palavras cumprem-se!

      Eliminar
    2. Olá, Elvira

      A divulgação deste livro e da situação destas crianças nunca é demais. Quando fizer o seu post irei aí ao seu blogue inserir o meu comentário.

      Bj

      Olinda

      Eliminar
  2. Soube desta sensível e comovente iniciativa, com magníficos poetas.
    Vim ao seu blog através da Majo. Passarei aqui outras vezes.
    Um bom fim de semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia, Graça

      Muito obrigada pela sua visita e comentário.
      Também eu irei visitá-la em breve.

      Bj

      Olinda

      Eliminar
  3. Belo contra o medo e a indiferença

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O medo e indiferença tolhem o mundo no que se refere às boas obras.
      Neste caso, há uma batalha ganha.

      Abraço.

      Olinda

      Eliminar
  4. Iniciativa muito nobre e digna!!!
    Beijinhos, boa semana :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é verdade, M.
      Muitas vezes ficamos apenas pelos lamentos e nada se faz.
      Agora, e também noutros casos de que se não ouve falar, vê-se o resultado do "dar as mãos" de homens e mulheres.

      Bj

      Olinda

      Eliminar
  5. Uma iniciativa muito interessante, num mundo em que tantos silêncios cómodos permitem o horror.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia, Ana

      O silêncio de muitos permite que o pequeno número que segura o poder ponha em causa a dignidade humana.

      Beijinhos

      Olinda

      Eliminar
  6. Aos poucos se constroem monumentos .
    Aos poucos começamos a andar ...
    É pouco para este mar de miséria , Olinda , mas penso que é sobretudo a sensibilização , que nunca é demais , para esta cidade mártir e suas crianças .
    Então posso informar que se pensa já na segunda edição e a apresentação em Lisboa .
    Obrigada caríssima amiga pelo seu contributo e divulgação . E sempre penso que quem faz o bem , é aqui ainda que recebe a recompensa !
    Bem haja e obrigada
    Beijinho !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Manuela

      Não poucas vezes, o primeiro passo é que é o mais difícil.
      Vi que as pessoas responderam com solidariedade e amor na construção deste edifício, que tem condições para se transformar num monumento de grandes proporções.
      A 2ª edição do livro, uma excelente notícia! Penso que ao vosso exemplo se seguirão mais iniciativas como esta. Que os intelectuais deste país têm uma palavra a dizer e que através da sua escrita abaterão os muros de incompreensão e horror que se constroem à nossa volta.

      Muito obrigada.

      Bom fim de semana.

      Beijinhos

      Olinda

      Eliminar
  7. Conceição Lima14/03/2017, 00:20:00

    Fico feliz por ver que a solidariedade não é palavra oca...Os Poetas agarraram-na e vão fazer chegar a sua mão estendida às ruas de pó de Aleppo...Obrigada!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Conceição

      Muito obrigada por ter tomado nas suas mãos esta obra meritória. Por ter entoado o primeiro grito a que os outros gritos se seguiram, com palavras de dor e compaixão por seres inocentes abandonados no meio do horror.

      Bem haja essa linda palavra que é a Solidariedade, que se mostrou não ser uma palavra vã.

      Fiquei muito contente com a sua visita. :)

      Beijinhos

      Olinda

      Eliminar
  8. Maravilhosa postagem da publicação que eu não conhecia. Que bela ação benemerente com a robustez hercúlea para acordar mentes acomodadas e de um escopo extraordinário - recursos aos carentes. Parabéns aos poetas e parabéns a ti.
    Quanto tua adesão ao meu espaço, creio que não ter se efetivada por não aparecer no meu quadro de seguidores. Mas sem problemas. Sempre voltarei aqui e lembrarás de mim. Minha gratidão e cumprimentos por tão honrosa causa em divulgar o feito histórico... Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia, Laerte

      Dizes bem, mentes acomodadas. Mentes que fazem do seu quotidiano um reduto e dali não saem habituadas que estão às pequenas coisas, que fazem da vida o seu pequeno paraíso. Entretanto, o mundo vai desabando.

      Meu amigo, a minha adesão ao teu espaço efectivou-se, sim senhor. E irei ali demonstrar-to. :)

      Abraço

      Olinda

      Eliminar
  9. ... As Crianças, não, Senhor!
    Não as tomes sem cuidado.
    Dá-lhes a Paz e Amor,
    Ao seu peito amargurado.

    Excelente contribuição para uma causa que se tornou meritória.
    Bem hajam todos. Bem hajas, Olinda, pela divulgação.

    Beijo
    SOL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Sol

      As tuas palavras fazem-me recordar outras não menos significativas, as de Augusto Gil, em "Balada de Neve":

      "Que quem já é pecador
      Sofra tormentos, enfim!
      Mas, as crianças Senhor
      Porque lhes dais tanta dor?!
      Porque padecem assim?!"

      Perguntas que ficarão para sempre sem resposta porque, realmente, é impossível conceber-se uma lógica explique o seu sofrimento.

      Voltando a Augusto Gil (1873-1929) a sua obra conta com, pelo menos, 10 títulos, mas ele será sempre lembrado pela sua Balada de Neve, onde descreve com alma e coração as atribulações por que passam as crianças. http://alfarrabio.di.uminho.pt/vercial/agil.htm

      Muito obrigada.

      Abraço

      Olinda

      Eliminar
  10. Conheço a louvável iniciativa e alguns dos poemas contidos na obra.
    Ouço regularmente o programa da Conceição Lima, Hora da Poesia (onde já estive), que faz à 4.ª feira, em direto, na Rádio Vizela, pelas 21:08, sobre a divulgação de poetas (atuais e já falecidos - consagradas ou menos lembrados). O que a Conceição Lima faz pela poesia é único e grandioso.
    Bjo, Olinda

    ResponderEliminar
  11. Querida Odete

    Trouxeste-me preciosas informações, que eu desconhecia. Muito me apraz registar que há pessoas como a Conceição Lima que se dedicam à promoção da Poesia, logo, à Cultura. E amanhã é o dia da Poesia. :)

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar