sábado, 18 de março de 2017

Radiografia de uma insónia

Acordo sobressaltada. Deixei-me dormir a ver a série e já são quase duas horas. Salto do sofá, arrumo a papelada na pasta, guardo o computador e outras ferramentas para a apresentação de amanhã. Casa de banho, pijama, um copo de água e cama.

Encosto a cabeça na almofada, de certeza que vou reatar o sono. Mas será que não me esqueci de nada? Claro, está tudo controlado. A menos que surjam imprevistos, uma pergunta de alguém mais picuinhas sobre o produto, talvez não tenha pensado em tudo... E, se o computador se encravar, se o projector avariar. Mas não, vai tudo correr bem. Às vezes, a memória pode falhar, com os nervos, ou pode dar-se o caso de a pessoa se engasgar... Credo, que pensamentos! Agora me lembro que não vi a roupa que vou levar...Talvez, a saia cinzenta e...mas essa está-me justa...aliás toda a minha roupa está assim. Preciso rever o meu guarda-roupa. Mas, dizem que não se deve adaptar a roupa ao corpo mas o corpo à roupa, para controlar o aumento de peso. Pois, é isso. Tenho de ter cuidado com aquilo que como. Ao fim e ao cabo o que é eu como de mais? Aquele bolinho todos os dias de manhã? Isso não fará grande diferença e uma pessoa não é de ferro. A sério, tenho de começar a comer umas saladas. À noite tomar uma refeição mais leve, aliás, ajuda à digestão. Também ouvi dizer que se pode comer de tudo e que bastará reduzir um pouco nos hidratos de carbono, açucar e... tenho de ver isso. Ah! esquecia-me, e os sapatos? Preciso de uns sapatos confortáveis, não sei se os que tenho me permitem estar muito tempo de pé. Bem, nem sei se vou estar muito tempo de pé, mas mais vale prevenir do que remediar. Mas remediar com quê? As sabrinas já não têm um aspecto apresentável. Talvez uns botins que não calço há já algum tempo... mas está calor apetecia-me uns sapatinhos mais leves. Fazer o quê? Tenho de levar os que eu tenho. A esta hora já não dá para esquisitices. Ai!!! mas que horas são? Quase quatro horas? Não acredito! Tão tarde! Ou já se deve dizer, tão cedo? Pois, tenho de me levantar às sete, tenho de deixar o miúdo na escola às oito. Sinto a cabeça pesada. O bocadinho que dormi enquanto via a série não é suficiente. Tenho de me sentir estável, senão não direi coisa com coisa na apresentação do trabalho. Será que ainda consigo dormir um bocadinho até às sete?



A partir de agora o cérebro está completamente desperto, preocupo-me com as horas olhando vezes sem conta para o relógio, viro-me para o lado esquerdo, viro-me para o lado direito, coço a cabeça, a cara, os olhos, as orelhas, deito-me de barriga para baixo, de costas, mexo na almofada que se tornou de pedra, procuro aplicar umas técnicas de descontracção que conheço: faço o corpo pesado, faço respiração abdominal, procuro concentrar-me num som qualquer, mas agora é que oiço nitidamente os ínfimos silêncios e os pequenos barulhos, começo a ouvir as pessoas a mexerem-se no andar de cima, o bater da porta da rua, carros que começam a trabalhar... Nada feito. O despertador, claro, desperta e lá se vão as minhas esperanças. 

Meus amigos, não façam como eu. Sendo o sono importantíssimo para a saúde, reservem-lhe o espaço a que tem direito.

Bom fim de semana.

Abraço

Olinda

====

Imagem - aqui 

10 comentários:

  1. Aí está algo de que eu sofro desde criança. Insonias. Não assim claro eu sempre durmo. Houve uma época da minha vida que dormia, duas ou no máximo três horas. Andava já meio desaparafusada. Há dez anos, quando comecei ser regularmente seguida na consulta do sono, dormia quase quatro horas. Nesta última consulta, a 16 de Março, o médico diz que estou a chegar às 5 horas. Por este andar devo chegar a fazer um sono normal quando estiver com os pés para a cova.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  2. Pois é minha amiga se vamos para a cama preocupadas adormecer é uma aventura, a mim por vezes também me acontece isso, tudo vem à mente menos o sono.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  3. Minha amiga: é ainda com o sorriso a bailar-me que comento.
    Dizer que me revi nas peripécias, é pouco. Então, em vésperas de algo como a mencionada apresentação, é que todos esses pormenores técnicos e pessoais (coisas no feminino, que, para mim, são normais e importantes), se perfilam em catadupa deixando-nos presas a uma insegurança atroz. Cá para mim, é defeito de perfecionista!!!
    E nunca te aconteceu elaborares discursos fantásticos como se já estivesses no evento que vais dinamizar? Nessas alturas é que era bom haver uma máquina que registasse tão profícuo produção!
    Gostei deveras desta tua radiografia. Muito bem (des)escrita e com o ritmo a assemelhar-se ao ritmo do agitado pensamento, abrilhantada pelo toque de humor e pelo tom coloquial imprimido ao relato.
    Ainda bem que tiveste a veleidade de teres escrito, assim como partilhado.
    Bjo, Olinda :)
    (Grata pelos teus pertinentes comentários nos mes alinhavos)

    ResponderEliminar
  4. As preocupações com atividades do dia seguinte não boas companheiras e nos fazem perder uma boa noite de sono. Insônia é um mal que agride nosso corpo e tira nosso equilíbrio e nossa paz
    Um bom fim de semana
    Beijos

    ResponderEliminar
  5. Pior é quando dormimos de olhos abertos
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Conheço-as muito bem, estimada Olinda...
    E quando dá para vermos novamente, mais uma vez, o filme
    da nossa vida, volteando da esquerda para a direita, é um
    imenso sofrimento!
    Enfim, há males piores...
    Foi uma leitura agradável e verá que está bem acompanhada...
    ~~~ Beijinhos, Amiga ~~~

    ResponderEliminar
  7. Raramente me acontece, mas quando acontece é muito chato!
    Um truque que uso para adormecer mais rápido: colocar um dedo a tapar o ouvido que ficar "ao ar".
    Beijinhos e bom sono!

    ResponderEliminar
  8. Já eu ando sistematicamente cheia de sono, de dia e de noite!
    Beijinhos, boa semana tranquila :)

    ResponderEliminar
  9. Boa tarde, Olinda. Achei graça ao estilo da sua narrativa. Já me tem acontecido ter insónias, mas nunca por adormecer a ver televisão.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  10. Olinda, já passei por isso vezes sem conta. É tramado!
    Há quem diga que nos devemos levantar e ler ou ver filmes, até o sono voltar.
    Há quem aconselhe beber um copo de leite quente com mel.
    Há quem... Há quem...
    Eu já experimentei mil mezinhas e continuo à procura de remédio para as malvadas insónias.
    Oxalá no dia seguinte tudo te tenha corrido bem.
    Beijo.

    ResponderEliminar