segunda-feira, 22 de junho de 2015

E se houvesse um país onde o indicador económico fosse: Felicidade Interna Bruta?



Neste nosso mundo, falar de felicidade como factor indispensável para um modo de vida saudável é quase uma lamechice. Mostrar que se é bom, aliás, excelente em tudo, correr dum lado para o outro em reuniões, a fazer demonstrações da bondade deste ou daquele produto é que é. Ganhar credibilidade entre os pares, somando créditos nos negócios, não há coisa melhor. Mas, o que é mesmo bom fica para trás. Lá no fundo temos a esperança de que quando acabarmos de fazer tudo gozaremos a vida, com uma boa reforma, conheceremos com vagar os sítios maravilhosos com que sonhámos toda a vida, faremos aquelas férias maravilhosas.


Há um lugar onde a Felicidade não espera. Ela tem de ser vivida no quotidiano e, pasmemo-nos, por decisão política. O sítio onde se mede o desenvolvimento do país pela satisfação dos cidadãos é governado por um rei e pela sua bela mulher, ambos jovens e amados, é o BUTÃO. O conceito de desenvolvimento social, FIB, foi criado pelo pai do actual monarca, contrapondo-se ao PIB, em resposta a críticas que afirmavam que a economia do seu país crescia miseravelmente.


Foi ontem que soube desta coisa algo mirífica, num programa muito interessante da RTP, Olhar o Mundo. Então, fui à procura de mais elementos e se estiverem interessados acedam aqui e também a 10 coisas que o povo do Butão faz diferente e que faz dele o povo mais feliz do mundo.

E com esta me vou. Desejo-vos uma semana muito Feliz.

Abraço.

:)

====
Imagens: Internet

17 comentários:

  1. Há, como eu gostaria de viver nesse país.
    Não haveria pobres nem ricos, Haveria pessoas boas.
    As suas roupas seriam a bondade e a honestidade.
    Nenhum homem exploraria outro homem...
    Deixem-me sonhar com esse pais!...

    ResponderEliminar
  2. Nunca imaginei que houvesse um rei a implementar tal modo de viver a vida. Que importa uma economia em franco crescimento se o povo não tem tempo para sequer brincar com os filhos? Não, Olinda, não é com muito dinheiro que se vive momentos felizes. Quando eramos crianças não tinhamos nada do que os nossos filhos e netos têm hoje, mas como eramos felizes a correr pelos campos , a brincar na rua, a jogar à macaca ? Não me lembro sequer de alguma dificuldade econónica que tive de certeza. O que me vem à memória
    são sempre os momentos felizes de brincadeira saudável. Belo tema, amiga! Obrigada pela informação que nos dá alguma esperança de que os nossos netos tenham uma vida diferente. Beijinhos e uma boa semana
    Emília
    avel

    ResponderEliminar
  3. Maravilhosa "politica" essa. Quem me dera que também quem nos vai governando pensasse dessa maneira. Morar num lugar assim é a minha ideia de paraíso.

    Bjs

    Isabel Gomes

    ResponderEliminar
  4. A felicidade sempre se mediu pelo Amor. E é o Amor pelo bem estar do próximo que deixa rastos.
    Neste PAÍS (propositadamente com maiúsculas) quem encima o bem estar das gentes, é quem Governa. Por cá, infelizmente, quem diz que governa, apenas se governa; o Povo, esse, não conta para o bem estar; apenas para pagar.


    Beijos


    SOL

    ResponderEliminar
  5. Eu vou lá. Fiquei curiosa. Deve ser muito bom viver num país assim.
    um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
  6. No mínimo devemos reflectir sobre os nossos projectos de vida...Penso muitas vezes nisso e em como gostaria de me livrar de algumas amarras;)

    ResponderEliminar
  7. ~ ~ ~
    ~~ Na Europa, é a Dinamarca...

    ~~ Uma postagem excelente.

    ~ Feliz semana, Oinda amiga.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ~~ Perdão pelo lapso, Olinda. --

      ~~~~ Beijinho. ~~~~~~~~~~~~~
      .

      Eliminar
  8. OI OLINDA!
    FUI LER SOBRE O BUTÃO E CONFESSO QUE ME SURPREENDI, COISAS TÃO SIMPLES E QUE ESTÃO AO ALCANCE DE TODOS NÓS, MAS, TERIA DE SER COMO LÁ, UM CONSENSO GERAL.
    MUITO BOM TEU POST, ADOREI.
    ABRÇS
    -http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  9. Querida amiga

    Quem dera
    que nossa educação
    fosse voltada para a felicidade.
    Mas no geral não é.
    Queremos mais consumo.
    Queremos mais diferença,
    mais bens, mais dinheiro.
    Assim nos perdemos da alegria.
    É uma pena,
    porque da vida
    a única coisa que se leva é a alegria.

    ___________________________

    Gostaria de convidá-la a ler
    as postagens do blog
    www.semvoceeunaoseria.blogspot.com

    Nele estou publicando as primeiras
    páginas de um novo projeto de livro
    com músicas e poemas sobre músicas,
    e como sempre,
    sua opinião é para mim
    deveras valiosa.

    Um imenso abraço.

    Aluísio Cavalcante Jr.

    ResponderEliminar
  10. Só a ideia é maravilhosa - FIB :)
    Já me tinha cruzado com descrições deste país feliz anteriormente e achei uma delícia, poder viver assim.
    Já que não vivo, pelo menos pode servir de inspiração.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. E a Grécia aqui tão perto a dardejar

    ResponderEliminar
  12. E quando é o próximo avião para o Butão? :)
    Beijinhos, bom sábado!

    ResponderEliminar
  13. Nossa! Surpreendente! Nada havia lido a respeito e gostei demais. Quem dera o bem estar do povo fosse não só plataforma política, mas empenho de governantes. Bjs.

    ResponderEliminar
  14. Notícia interessante!
    Obrigada pela partilha.

    CT

    ResponderEliminar