quarta-feira, 10 de junho de 2015

Tecendo a Manhã



Um galo sozinho não tece uma manhã:
ele precisará sempre de outros galos.
De um que apanhe esse grito que ele
e o lance a outro; de um outro galo
que apanhe o grito de um galo antes
e o lance a outro; e de outros galos
que com muitos outros galos se cruzem
os fios de sol de seus gritos de galo,
para que a manhã, desde uma teia tênue,
se vá tecendo, entre todos os galos.

E se encorpando em tela, entre todos,
se erguendo tenda, onde entrem todos,
se entretendendo para todos, no toldo
(a manhã) que plana livre de armação.
A manhã, toldo de um tecido tão aéreo
que, tecido, se eleva por si: luz balão.

João Cabral de Melo Neto
      1920-1999

Autor brasileiro. Grande Oficial da Ordem de Sant'Iago da Espada, Portugal-1987. Prémio Camões-1990. Vide Biografia.

=====
Imagem - daqui

13 comentários:

  1. É como aquele ditado que diz "uma andorinha sozinha não faz verão"
    E para haver uma linda manhã uma linda sinfonia de galos
    Que lindo este poema! Belíssima escolha amiga para homenagear o dia do seu País
    Beijos e um sorriso

    ResponderEliminar
  2. Bom dia
    Desculpe a ausência que me deixam tanto tempo em silêncio.
    Gostaria que aqui e sempre se repetissem os ecos do cantar dos galos que fazem as madrugadas.
    Não são as músicas minhas predilectas mas são as aquelas que ouço com mais naturalidade e com muita frequência. Infelizmente muitos jovens nem sabem, nem nunca acordaram com estas sinfonias descoordenadas.
    Gosto do poema.

    ResponderEliminar
  3. Um Poema muito bonito ! Eu não conhecia este Autor , mas estou curiosa para ler mais Poesia deste Poeta Brasileiro !

    ResponderEliminar
  4. Excelente escolha, lindo poema.
    Gosto do amanhecer, ele é sempre um novo começar.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  5. ~ Um poema muito inrwewssante,

    ~~~~ Desconhecia o autor, ~~~~

    ~~~~~~ Abraço. ~~~~~~~~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  6. Gosto do canto dos galos pela manhã na aldeia; mas de facto, um só não chega para anunciar a aurora. Agora, todos juntos, é uma alegria.

    Não conhecia este autor, mas o poema é lindo. Quase fui transportada para o amanhecer na minha casa da aldeia, a uma infância feliz cheia do cantar dos galos.

    Obrigada pela partilha.

    Bjs

    Isabel Gomes

    ResponderEliminar
  7. Desconhecia este autor brasileiro. Considero o poema lindíssimo!

    ResponderEliminar
  8. OI OLINDA!
    EMBORA BRASILEIRO, NÃO CONHECIA ESTE AUTOR.
    LINDO É O AMANHECER, COM O CANTO DO GALO E QUANTOS MAIS HOUVER, MAIS BONITO FICA. PENA SER PRIVILÉGIO DE POUCOS ESTE AMANHECER.
    ABRÇS
    -http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  9. Um grande escritor, a merecer sua opção de postagem. De canto em canto, a sinfonia do amanhecer, a acordar o dia. Belo! Bjs.

    ResponderEliminar
  10. Muito bonito! Assim como os galos, também nós precisamos de unir o grito :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Li e senti-me de manhãzinha a ouvir os galos, como dantes :)
    Um beijinho

    ResponderEliminar