domingo, 8 de julho de 2012

Centro do mundo

As Mães. Elas são o Centro do Mundo. A minha faria hoje anos. Seu nome, Isabel. Tomou da Rainha Santa, Isabel de Aragão, o nome, as qualidades. No nosso imaginário encontra-se bem patente a lenda do milagre das rosas, que mostra a sua piedade e compaixão, mas também a memória da sua acção em prol da concórdia entre pai e filho, D.Dinis e o Infante D.Afonso, herdeiro do trono.


1271-1336

Paraty, Brasil - Centro do Mundo literário. De 4 a 8 de Julho, até hoje, portanto, decorre a 10ª edição da Feira Literária Internacional de Paraty (Flip). E o grande poeta e cronista, Carlos Drummond de Andrade, é ali homenageado. Então, falando-se dele vem-me à ideia o seu poema A Máquina do Mundo:

1902-1987

E como eu palmilhasse vagamente
uma estrada de Minas, pedregosa,
e no fecho da tarde um sino rouco

se misturasse ao som de meus sapatos
que era pausado e seco; e aves pairassem
no céu de chumbo, e suas formas pretas

lentamente se fossem diluindo
na escuridão maior, vinda dos montes
e de meu próprio ser desenganado,

a máquina do mundo se entreabriu
para quem de a romper já se esquivava
e só de o ter pensado se carpia.

Abriu-se majestosa e circunspecta,
sem emitir um som que fosse impuro
nem um clarão maior que o tolerável

pelas pupilas gastas na inspeção
contínua e dolorosa do deserto,
e pela mente exausta de mentar

toda uma realidade que transcende
a própria imagem sua debuxada
no rosto do mistério, nos abismos.
Ler mais ...


Recuando no tempo, em Os Lusíadas, Canto X,  a deusa Tétis leva o Gama pela mão e mostra-lhe a máquina do Mundo nestes termos:
...
Uniforme, perfeito, em si sustido,
Qual, enfim, Arquétipo  que o criou.
Vendo o Gama este globo comovido,
De espanto e de desejo ali ficou.
Diz-lhe a Deusa:’ o transunto, reduzido
Em pequeno volume, aqui te dou
Do Mundo aos olhos teus, para que vejas
Para onde vás e irás e o que desejas.’

‘Vês aqui a Grande Máquina do Mundo,
Etérea e elemental, que fabricada
Assim foi do Saber, alto e profundo
Que é sem princípio e meta limitada.
Quem cerca em derredor este rotundo
Globo e sua superfície tão limada
É Deus, mas o que é Deus ninguém o entende,
Que a tanto o engenho humano não se estende’


Entre Luís Vaz de Camões, Sec. XVI, e Carlos Drummond de Andrade, Sec.XX, tanto tempo, tanto mar, verificamos uma enorme evolução do pensamento, passando-se a uma visão do mundo fundamentada em princípios científicos. Assim, vê-se o surgimento do Sec. XVII, tido como a era da revolução científica e, nesta matéria, evidencia-se o grande teorizador Isaac Newton. 

Mas a necessidade que o Homem sente em descobrir as origens do mundo e explicar a grande máquina de que fazemos parte não pára. Nos nossos dias o bosão de Higgs, na procura da partícula de Deus, chave primordial para validação da massa das outras partículas elementares- após a nossa grande eclosão conhecida como Big-Bang- o bosão, dizia, parece ser o último grito nesta área.




Enquanto isso, centremo-nos no mistério do amor, na dedicação e abnegação de um coração de Mãe, nos sacrifícios que enfrenta na defesa da sua cria.
Embrulhados no seu xaile, o universo quase que se reduz a um ponto apenas e a explicação da máquina ou origem do mundo torna-se assaz irrelevante. Hoje e sempre relembro a minha mãe e com ela homenageio todas as mães do mundo.

O convite Ler mais está hiperligado aos sites que contêm o poema de Drummond e o canto X de Os Lusíadas
Imagens retiradas Internet. Os meus agradecimentos.
NOTA - HOJE, TAMBÉM É DIA DE SANTA ISABEL, FIGURA BÍBLICA, originando, talvez,ou também, o nome da minha mãe. :)

14 comentários:

  1. Quanto à partícula de Deus não sei, francamente, o que diga.

    tenho muitas dúvidas que alguma vez se consiga saber a origem do Universo.

    Quantas verdades profundas existiram até hoje e foram depois desmentidas?

    Um abraço grande para si e sua mãe(onde quer que se encontre)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara São

      É como diz, sabe-se lá...Teorias científicas, explicações religiosas, quem sabe? Do que sabemos de certeza é que este mundo tem tantas coisas maravilhosas que é de causar espanto por mais que as vejamos. Ainda hoje fiquei maravilhada com umas fotos de um amigo blogueiro,talentoso, 'Fotos ao Acaso',: flores de tirar o fôlego. São dádivas da Natureza que nunca agradeceremos o bastante.

      Muito obrigada pelo seu carinho. :)

      Bjs

      Olinda

      Eliminar
  2. Mãe para mim é benção de Deus, é um pouco de Deus em suas palavras e gestos, esta quando sabe muito bem criar e se dedicar, mãe é isso, dedicação, amor único e perfeição de Deus. Belissimos poemas e Carlos Drummond de Andrade era fora do comum, seus poemas sçau uma viagem única. ADOREI os poemas.
    Querida, muito obrigada pelo carinho de suas palavras, seja sempre muito bem-vinda e Quinta tem mais. Beijos e fica com Deus da sempre amiga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Cecília

      Li em tempos, acho que foi no dia da mãe, uns versos, um poema,num blog amigo, que dizia que Deus se faz substituir pela Mãe, através da dedicação, do amor, da abnegação, com que cobre os seus filhos.

      Destaco do seu comentário, estas lindas palavras:
      'Amor único e perfeição de Deus', eu não saberia dizer melhor.

      Muito obrigada.

      Bjs

      Olinda

      Eliminar
  3. Olá Olinda,

    Este seu post de hoje é uma visão em landscape, uma visão que abrange um arco que tem como ponto focal, o centro do seu mundo, o centro do mundo de todos nós, as Mães.

    Gostei muito de acompanhá-la nesse tour d'horizon, acabando com uma mãe protegendo as suas crias.

    Um beijinho, Olinda, e que a memória da sua Mãe a acompanhe sempre.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida UJM

      Muito obrigada por ter aqui vindo, num dia tão especial para mim. Adorei a sua interpretação, que veio precisamente ao encontro daquilo que eu queria transmitir. É isso mesmo, o centro, o foco, fonte vida: as nossas Mães.

      Desejo-lhe tudo de bom, sempre com a sua cintilante luz interior a inspirá-la.

      Beijinhos.

      Olinda

      Eliminar
  4. Oi Olinda,
    Gostei imenso da postagem, e o poema
    A Máquina do Mundo de Carlos Drummond de Andrade é matavilhoso.
    O homem sempre com essa curiosidade , e acredito que nunca irão ter a resposta que procuram.

    Desejo uma ótima semana cheia de coisas especiais.
    Grande abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi Smareis

      Carlos Drummond de Andrade, disse:'Só é lutador quem sabe lutar consigo mesmo'. Talvez, colocados que fomos neste planeta, a nossa primeira preocupação devesse ser a descoberta e compreensão de nós mesmos, não é?

      Enfim, a vontade de descobrir mundos e o seu funcionamento é algo que sempre nos acompanhará... dada a infindável curiosidade do ser humano. :)

      Beijos

      Olinda

      Eliminar
  5. Boa noite, Olinda, adorei esta postagem, gostei das comparações que fez, e das poesias então nem se fala, mestres que não nos esquecemos jamais, também gostei muito da forma que homenageaste a tua mãezinha, muito especial. Quero te agradecer o teu carinho em minha página, obrigada de coração, beijos Luconi

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Luconi

      Muito obrigada pela tua visita. Sei que O teu sofrimento e desgosto foram muito grandes, mas espero que com o tempo o teu coração tenha a consolação de que és merecedora. Eu estarei sempre por perto.

      Também agradeço o teu carinho e as tuas palavras.

      Beijos

      Olinda

      Eliminar
  6. E as mães... lá vão elas, costurando ponto a ponto...com muito amor e com o máximo cuidado o mundo dos seus filhos; não usam a máquina....fazem-no com as suas mãos, tantas vezes picadas pelas agulhas...da forma mais justa que encontram tentando que as suas crias cheguem ao centro do mundo; não o querem para elas esse centro do mundo...querem o mundo todo para aqueles a quem deram a origem e que muitas vezes se esquecem que elas, sim, é que devem estar no centro do mundo e principalmente no no centro dos nossos corações. Bela homenagem que fizeste à tua mãe, Olinda e, como mãe que sou, agradeço-te imenso, pois senti-me homenageada. Este teu post está fantástico, Olinda. Gosto muito de Carlos Drummond, mas não conhecia este poema e muito menos a semelhança com o do nosso Luis de Camões. É por isso que bendigo a hora em que criei o Começar de Novo, pois tem sido uma fonte de enriquecimento e além disso tem-me permitido conhecer pessoas fantásticas através da palavra que, como diz Drummond...é mágica

    A Palavra Mágica

    Certa palavra dorme na sombra
    de um livro raro.
    Como desencantá-la?
    É a senha da vida
    a senha do mundo.
    Vou procurá-la.

    Vou procurá-la a vida inteira
    no mundo todo.
    Se tarda o encontro, se não a encontro,
    não desanimo,
    procuro sempre.




    Procuro sempre, e minha procura
    ficará sendo
    minha palavra.

    Um beijinho, Olinda e muito obrigada por partilhares estes poemas tão belos. Fica bem e até breve.
    Emília

    ResponderEliminar
  7. Querida Emília

    Que rica panorâmica que traças a partir da 'costura' até ao 'centro do mundo'. Mães costurando o mundo, juntando retalhos de todos os tamanhos, de todas as cores, na viagem que conduz ao centro do seu mundo, os seus filhos. É um amor compartilhado, de Mães para Filhos e vice-versa, assim é e assim seja...como diz Alberto Caeiro ( em:Eu queria trincar a Terra toda).

    Minha querida, como te agradeço as tuas palavras de apreço que também são de incentivo e, da mesma forma, te digo que me sinto revigorada quando leio os temas que tu e a Hermínia apresentam no'Começar de Novo'. São matérias que nos levam a reflectir acerca do sentido da vida, sobre o nosso relacionamento uns com os outros e que nos colocam questões pertinentes sobre o nosso papel na sociedade e no mundo.
    '
    Além disso, o vosso outro blog,contributo para 'um Portugal mais risonho', que cultiva o optimismo, dá-nos conta do que de bom se faz por este país fora, sendo uma nota muito positiva em todo este desânimo e cepticismo que por aí se vive...

    O poema de Drummond, lindíssimo, a procura da palavra mágica! Nessa procura devemos envidar todos os nossos esforços. :) Obrigada por mo trazeres. Não o conhecia.

    Beijinhos e já que estamos a caminhar para o fim-de-semana, desejo que seja de muito calorzinho e praia, mas também pode ser no campo ou onde quer que seja, sempre com a alegria no coração. :)

    Beijinhos.

    Olinda

    ResponderEliminar
  8. Olá querida Olinda

    Adorei que o aniversário da nossa querida mãe, te tivesse
    inspirado para tão lindos poemas.Juntamente contigo, bendigo aquela que foi a nossa mãe, a qual vive e viverá sempre nos nossos corações.

    Saudosos Beijinhos

    Zinha

    ResponderEliminar
  9. Querida Zinha

    Fiquei felicíssima por teres aqui vindo relembrar comigo a nossa querida mãe.Como bem dizes, ela estará sempre nos nossos corações e em todos os momentos da nossa vida.

    Beijinhos carinhosos.

    Olinda

    ResponderEliminar