segunda-feira, 2 de julho de 2012

A forma justa

Sei que seria possível construir o mundo justo 
As cidades poderiam ser claras e lavadas 
Pelo canto dos espaços e das fontes 
O céu o mar e a terra estão prontos 
A saciar a nossa fome do terrestre 
A terra onde estamos — se ninguém atraiçoasse — proporia 
Cada dia a cada um a liberdade e o reino 
— Na concha na flor no homem e no fruto 
Se nada adoecer a própria forma é justa 
E no todo se integra como palavra em verso 
Sei que seria possível construir a forma justa 
De uma cidade humana que fosse 
Fiel à perfeição do universo 

Por isso recomeço sem cessar a partir da página em branco 
E este é meu ofício de poeta para a reconstrução do mundo 

Sophia de Mello Breyner Andresen
in 'O nome das coisas' - citadorINTERESSANTE
Vejam, por favor, Na ESQUINA DO TEMPO, homenagem a esta autora:NAVEGAÇÕES -Parte I,NAVEGAÇÕES - Parte II

27 comentários:

  1. Sophia tem razão: é possível um mundo bem melhor!

    Trabalhemos nesse sentido com as nossas possibilidades.

    Abraço grande, rrssss

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, São

      Bastará que acreditemos, minha amiga, e ponhamos nessa construção o que temos de melhor. O resto virá por acréscimo. :)

      Bjs

      Olinda

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Obrigada, Lidi.

      Um bom resto de semana para si.

      Bjs

      Eliminar
  3. Ah, como me sinto bem a navegar nestas águas, Olinda!
    Obrigado.

    Beijo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro AC

      São navegações que nos levam a desbravar horizontes até ao nosso íntimo e que muitas vezes nos deixam surpresos com a nossa capacidade de escalar ondas alterosas e chegar ao cume, como se fossem montanhas.

      :)

      Abraço

      Olinda

      Eliminar
  4. Mesmo que não fosse possível a cidade humana assemelhar-se à beleza do Universo pelo menos o esforço de a tornar mais respirável, mais justa, mais tolerante.
    E já contribuiu, Olinda com a sua parte!Sempre com lindas surpresas.
    Beinjinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, cara Manuela

      Ao referir-se à 'cidade humana' lembrou-me, por associação de ideias', a teoria das duas cidades (a terrena e a celestial) decorrente do desenvolvimento da 'Cidade de Deus' de Stº Agostinho. Na sua explanação descobre que para a sua existência são necessários dois amores que ele caracteriza, aduzindo também uma definição de povo deste modo:'“O povo é o conjunto de seres racionais associados pela concorde comunidade de objetos
      amados”. Sem querer entrar na profundidade filosófica de Stº Agostinho poderia, contudo, numa interpretação livre, considerar 'os objectos amados' tudo o que nos rodeia e, realmente, 'se nada adoecer, a própria forma é justa', como diz Sophia. :)

      Muito obrigada pelas suas amáveis palavras.

      Bjs

      Olinda

      Eliminar
  5. Amiga Olinda, bem que este poema poderia ser letra de uma canção.
    Uma canção poesia evocando um mundo melhor, sem fronteiras, sem preconceitos e harmonioso. É querer demais? Não, não creio!
    Mas aqui e ali, os menestréis e trovadores vão dando seus recados. Cada qual expressando o melhor de sua alma como numa roda vida, em que todos estão de mãos dadas. Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Antônio

      Tem razão, não é querer demais. Neste desejo da conservação e manutenção de um mundo com todas as benesses com que fomos bafejados, temos de ser ambiciosos e audazes, apostando na recuperação do que já foi destruído a nível ambiental e ao nível das relações entre as pessoas e países.
      No poema é assumido pela autora o papel de reconstrutora incansável, saudando o novo dia, sempre, como o primeiro de todos. E ela deixou-nos este legado... Cada um a seu modo.

      Abraço.

      Olinda

      Eliminar
  6. Dia de alegria, dia de glória, dia de vivenciar cada minuto e guardá-lo como um precioso tesouro.
    Deus com seu infinito poder está em toda parte,
    ao meu redor dentro de você e dentro de mim..
    Hoje estou duplante feliz meu liro mal
    acabou de nascer.
    E as 18.48 horas e quarenta e oito minutos
    inicio dessa noite nasceu minha bisnetina(LARA)
    Venho compartilhar contigo minha felicidade.
    O nascimento do meu livro foi muito emocionate,
    mais o nascimento da minha bisneta isso
    não da para descrever.
    Deus abençoe sua semana.
    Carinhosamente.
    Evanir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Evanir

      Muito obrigada por ter vindo partilhar comigo estas notícias maravilhosas. Os meus parabéns pelo nascimento da sua bisneta, uma gracinha,(vi as fotos), e pelo lançamento do seu livro. Desejo-lhe muitas felicidades a si aos seus.

      Beijinhos

      Olinda

      Eliminar
  7. Um mundo melhor...sonhamos todos! Basta querer! Mas queremos nós verdadeiramente?
    Em face deste poema "apeteceu-me" já colocar uma pequenina pedrinha...Conseguirei ajudar a Sophia? Tu já o fizeste...
    Beijo
    Graça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Graça

      É isso mesmo, uma pedra pequenina, hoje aqui, amanhã acolá... com o contributo de todos, o edifício dos nossos sonhos erguer-se-à imponente desafiando as intempéries.

      Tu já ajudaste e ajudas na produção e publicação de temas que nos trazem sempre mensagens importantes de cariz social e relações humanas.

      Beijo

      Olinda

      Eliminar
  8. Respostas
    1. Olá, Mar Arável

      Quando se fala em sonho e da forma como o fazes, tenho sempre a tendência para ir buscar estes versos da 'Pedra Filosofal', de António Gedeão:

      '...

      'Eles não sabem, nem sonham,

      que o sonho comanda a vida,

      que sempre que um homem sonha

      o mundo pula e avança

      como bola colorida

      entre as mãos de uma criança.'


      Obrigada meu amigo e bom 'retiro'. :)

      Abraço

      Olinda

      Eliminar
  9. OI OLINDA!
    NÃO PODEMOS MUDAR O MUNDO SOZINHOS, MAS PODEMOS FAZER A DIFERENÇA, COMO POR EXEMPLO,ESCREVER POR UM MUNDO MELHOR, COMO TÃO BEM O FIZESTE.
    ABRÇS

    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oi Zilani

      Tem razão no que diz, somos todos parte interessada e todos com a obrigação tornar a nossa 'casa' habitável, para nós e para as gerações futuras.

      Sophia de Mello Breyner Andresen di-lo como ninguém neste precioso poema.

      Bjs

      Olinda

      Eliminar
  10. Gostaria que este sonho se propagasse pelo mundo afora, isso pode ser feito semeando, assim como faz aqui, para ver se alcançamos uma germinação consciente e vermos nosso jardim (o mundo) florido e dando o alimento necessário para as nossas vidas.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Lu Cidreira

      Este desiderato deveria invadir os nossos corações de forma irreversível. :) Plantar, semear e ver germinar, resultado das nossas acções positivas em prol do bem comum. Agora lembrei-me de uma coisa: já não se fala muito em 'bem comum', dos valores comunitários em que 'comunidade' volte à sua significação original, de todos e cada um cuidando do seu vizinho.
      E é nesta sua expressão, o mundo como um jardim florido, que me inspiro, meu amigo...'il faut cultiver notre jardin'.

      Abraço

      Olinda

      Eliminar
  11. Maravilhoso.
    Adoro Sophia.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Fernanda

      Muito obrigada pela sua visita.
      Sei que não tem feito muitas, por isso, mais a valorizo.

      Beijinho

      Olinda

      Eliminar
  12. Lindo poema que vem de encontro ao anterior, na minha opinião. É sempre possível fazer um novo recomeço a partir de uma página em branco, tentando sem cessar escrever nessa página novas palavras...e de preferência usando cores diferentes, bem garridas, para que o mundo fique cada vez mais agradável; cada um de nós tem que fazer a sua parte...está sombrio demais este nosso mundo. Obrigada pela partilha, Olinda! Um beijinho e que todos os dias ternhas um recomeço bem feliz.
    Emília

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Emília

      Em 'Começar de Novo', vemo-vos a cada postagem, imbuídas da grande missão de irem preenchendo essa página em branco, adoptando esse 'ofício' como um modo de estar na vida. São palavras de incentivo, de encorajamento na escolha de caminhos que possam conduzir-nos à nossa realização como seres humanos e ao bom relacionamento entre as pessoas.
      Por isso digo, minha querida, tu e a Hermínia, já estão a contribuir com a vossa parte, com vista à construção de um mundo prenhe de ideias luminosas, prevalecendo o belo e positivo.

      Muito obrigada.:)

      Beijinhos

      Olinda

      Eliminar
  13. É um encanto tão grande este poema, que emociona os olhos e o coração.

    Beijão Olinda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Fernanda

      Realmente, é o que sentimos quando lemos estas palavras de Sophia:

      'Pelo canto dos espaços e das fontes
      O céu o mar e a terra estão prontos
      A saciar a nossa fome do terrestre'

      e mais, de Alberto Caeiro:

      '...
      Se eu pudesse trincar a terra toda
      E sentir-lhe um paladar,
      Seria mais feliz um momento ...'

      'Assim é e assim seja...'

      De: Se eu pudesse trincar a terra toda')


      :)

      Beijos

      Olinda

      Eliminar
  14. Olá, poderiam-me dizer o que significa cada verso do poema "a forma justa", obrigado :)

    ResponderEliminar