segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Vou lá visitar pastores






A terra que te ofereço

1

Quando,
ansiosa,
pela primeira vez
pisares
a terra que te ofereço,
estarei presente
para auscultar,
no ar,
a viração suave do encontro
da lua que transportas
com a sólida
a materna nudez do horizonte.

Quando,
ansioso,
te vir a caminhar
no chão de minha oferta,
coloco,
brandamente,
em tuas mãos,
uma quinda de mel
colhido em tardes quentes
de irreversível
votação ao Sul.

2

Trago
para ti
em cada mão
aberta,
os frutos mais recentes
desse Outono
que te ofereço verde:
o mês mais farto de óleos
e ternura avulsa.
E dou-te a mão
para que possas
ver,
mais confiante,
a vastidão
sonora
de uma aurora
elaborada em espera
e refletida
na rápida torrente
que se mede em cor.

3

Num mapa
desdobrado para ti,
eu marcarei
as rotas
que sei já
e quero dar-te:
o deslizar de um gesto,
a esteira fumegante
de um archote
aceso,
um tracejar
vermelho
de pés nus,
um corredor aberto
na savana,
um navegável
mar de plasma
quente.


Ruy Duarte de Carvalho
      1941-2010

VER
SOBRE ESTE AUTOR

Poema retirado de:


http://betogomes.sites.uol.com.br/

Imagem retirada do
Google

31 comentários:

  1. Escolhi como título deste post precisamente o do livro de Ruy Duarte de Carvalho 'Vou lá visitar pastores'. Foi através desta obra que o conheci na sua faceta de antropólogo, de escritor, de jornalista, de pesquisador, seguindo o percurso dos Kuvale desde as suas origens até ao seu estabelecimento em terras angolanas. Povo de pastores que nunca se submeteria, colocando as suas tradições sempre bem alto...

    ResponderEliminar
  2. O teu comentário apareceu ainda estava a escrever o meu...complementando um pouco o post.

    :))

    Obrigada

    Abraço

    Olinda

    ResponderEliminar
  3. Fui ler o que recomendaste sobre este escritor e foi bom, pois não conhecia. Importante preocupar-se com a lusofonia, pois é uma maneira muito importante de olhar para a nossa língua, uma língua rica principalmente pela riqueza de palavras, termos e entoaçóes que são devidas aos vários países que a falam. Esta mistura faz com que a lingua portuguesa tenha uma sonoridade única.Como é bom vê-la falada em vários países cada um acrescentando-lhe algo de diferente que, a meu ver, só a torna mais bonita e rica. Muito obrigada por nos dares a conhecer este escritor em quem se nota um grande amor por África. Um beijinho, Olinda e adorei o pst. Fica bem!!
    Beijos
    Emília

    ResponderEliminar
  4. Vim trazer-lhe um beijinho, Olinda, e me
    envolvo com a beleza e a ternura de um poeta desconhecido, para mim, e saio encantada, agora
    que já o conheço...Lindo, lindo!!!

    Obrigada, amiga.
    Forte abraço

    ResponderEliminar
  5. Quem dá espera sempre uma boa recepção da sua dádiva. Que haja sempre mãos abertas para dar e para receber o amor que se quer a jorrar.

    Bjos

    ResponderEliminar
  6. Não conhecia e adorei. Vou ler um pouquinho os outros.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  7. Um belíssimo poema de um escritor que não conhecia.
    Obrigada pela partilha.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
  8. LIndo demais Olinda!
    Um encanto que transborda e evapora...
    Beijos e boa noite!!

    ResponderEliminar
  9. Não conhecia mas me encantei...vou investigar!
    Bj

    ResponderEliminar
  10. Que colorido, que aromas! Lê-se como se bebe um vinho!
    Beijinhos,
    Madalena

    ResponderEliminar
  11. Olinda
    Admiro o seu bom gosto para poesia.
    Esta é linda e tão cheia de sabedoria.
    Beijinho
    Maria

    ResponderEliminar
  12. Olinda, vivo e aprendo sempre.
    Agora passo a conhecer alguém que sem dúvida nenhuma, marca através de seus poemas, sua visão de mundo.
    Achei deveras interessante que os Kuvale são um povo de pastores que nunca se submeteria, colocando as suas tradições sempre bem alto.
    Um bem haja meu anjo, e meu sempre obrigado pelas tuas visitas.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  13. Boa tarde Amiga
    Vim agradecer a sua visita ao meu cantinho, obrigada pelo seu carinho, assim que estiver mais forte voltarei para te ler e comentar.
    Tenha um lindo dia
    Com carinho
    Abraço amigo
    Maria Alice

    ResponderEliminar
  14. Olinda, fizeste uma excelente escolha.
    Obrigado pela partilha, pois eu não conhecia o poema.
    Um abraço, querida amiga.

    ResponderEliminar
  15. Olinda boa noite já emclima um pouco antecipado de natal...kkkk. Sabe apreveitei o feriado para já ir decorando a casa...
    Beijos,
    Carla

    ResponderEliminar
  16. Desconhecia o autor e acho o poema bem bonito.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  17. Tenho estado doente desde sábado. (Por sorte já tinha agendado o post para domingo…)
    Não tenho posto os pés – melhor dizendo, as mãos… - no PC.
    Já estou um pouco melhor, mas não completamente bem. Não está a ser fácil, mas há-de ir ao lugar… Ainda não consigo estar aqui muito tempo seguido, tenho que intervalar :)
    Não vou alongar-me em comentários, mas não posso deixar de dizer duas coisas:
    1 - Gostei, MUITO
    2 - Não conheço o autor; logo que possível vou investigar.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  18. Obrigado por este belo poema!

    Bjsss

    ResponderEliminar
  19. Sabe Olinda, eu fico silenciosa lendo o texto, e entao todas as dúvidas sobre a humanidade, se dissipam... Como o Vieira, também agradeço pelo poema!

    Eu adoro aquele poema do Jorge Barbosa, parece que ele entendia a alma de todo o Brasil. Ele fala do meu Pernambuco, do meu sertao, como quem conhece o jeito do sertanejo, da sertaneja, das nossas coisas, da nossa cultura. Ainda por cima leitor que foi de Manuel Bandeira, Jorge de Lima. De modo que quando estive em Cabo Verde, era como se eu tivesse fazendo o percurso que ele nao fez. Eu li esse poema, a primeira vez, no livro da professora Simone Caputo Gomes, uma brasileira que tem um espetacular diálogo com as Ilhas Crioulas, Cabo Verde: literatura em chao de cultura. Uma leitura imprescindível, Olinda!

    Deixo um beijao, minha querida, e quando quiseres, o Brasil e eu lhe esperamos!

    ;)

    ResponderEliminar
  20. Que maravilha de poema! Quando leio versos assim, volto-me para o interior e os saboreio, em silêncio.

    Bjs.

    ResponderEliminar
  21. Linda é a natureza, doces são as palavras que a exaltam. Belo e belo e belo sempre!!

    Bjs!!

    ResponderEliminar
  22. Adorei passar e ver este poema e este Senhor
    beijo poético

    ResponderEliminar
  23. Obrigada por ter retribuído a visita. Já pesquisei a vida do escritor (rss). Não resisti.

    Bjs.

    ResponderEliminar
  24. Minha querida

    Um poema maravilhoso e uma bela escolha...não conhecia o autor, mas adorei.
    Deixo um beijinho com carinho e desejo um fim de semana cheio de paz e amor.

    Sonhadora

    ResponderEliminar
  25. Excelentes escolha, um poema maravilhoso.
    Amiga, hoje deixei no meu cantinho um obrigado aos Amigos. É um miminho simples mas feito com carinho para agradecer a companhia na estrada da vida e porque seu cantinho é ESPECIAL, um espaço onde a qualidade e o bom gosto estão sempre presentes em todos os posts.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  26. Oi querida boa noite de sábado!!
    Bjs

    ResponderEliminar
  27. Olinda,

    A qualidade e o gosto das suas escolhas é irrepreensível. Não conhecia estes poemas e gostei muito.

    Este seu Xaile é uma casa a que se vem sempre com gosto e que conjuga muito bem com este 'Outono, um mês farto de óleos
    e ternura avulsa'.

    Um beijinho.

    ResponderEliminar