quinta-feira, 10 de agosto de 2017

A Princesa Perfeitíssima e as Misericórdias (iii)

À Rainha Mecenas

DONA LEONOR DE LANCASTRE






Marés de Mim

- As minhas mãos são jangadas
que se embalam descuidadas
à flor das marés de mim.
Trazem sal e maresia,
distância e melodia
dum navegar sem fim.


As minhas mãos são saudade,
são poentes de eternidade
que rezam o sonho e a miragem.
Trazem as velas ao vento,
nos mastros do meu lamento
ao crepúsculo da viagem.

De gestos e madrigais,
fiz minhas algas e corais
na praia da minha vida.
No silêncio das madrugadas
canto as horas paradas
cheias de melodia perdida.

E quando no cais ancorar
com vagas de solidão que invento,
trago por dentro do Tempo
o pouco de Tudo, o tudo de Nada
que a brisa de minha alma salgada
trouxe do ventre do mar...


-As minhas mãos são jangadas
que se embalam descuidadas
à flor das marés de mim.
Trazem sal e maresia,
distância e melodia
dum navegar sem fim.

Maria de Lourdes Amorim




Poema extraído das páginas 153 e 154 da obra desta autora com o título: "D.Leonor de Lancastre - Grande Senhora do Renascimento". 

A dado passo lê-se que Dona Leonor pacificou, modernizou, reformou tudo, numa revolução total: religiosa, assistencial, artística e intelectual, à medida do seu espírito de Mulher de alta cultura, visão atlântica, engenho, arte e poesia.

Para além de ter instituído e organizado a Misericórdia de Lisboa, a Rainha Dona Leonor fundou, dotou e organizou o Hospital das Caldas da Rainha, o Convento da Madre de Deus em Xabregas, o Convento da Anunciada em Lisboa, a Igreja de Nossa Senhora de Merceana, as Capelas Imperfeitas do Mosteiro da Batalha e sete merceeiras no Convento de S. Agostinho, diz-nos por sua vez Maria do Carmo Romão* no prefácio à referida obra.

-Perdoem-me os meus queridos leitores que já por aqui passarem. Vou acrescentar algumas informações que me parecem de inserir neste post:

Portugal encontrava-se no período áureo dos descobrimentos e, em breve, tornar-se-ia a nação mais rica e poderosa da Europa, reprodução das palavras de Mário G. Viana, "D.Leonor", citado por Maria de Lourdes Amorim. A seguir, a autora continua com palavras suas referindo o espírito aberto e lúcido da Rainha-mecenas sempre atenta ao que a rodeava. E, a propósito, diz isto: Na sociedade portuguesa quinhentista, a galeria ilustre de artistas feita de arquitectos, pintores, imaginários, poetas, trovadores e físicos, recebeu a protecção e o seu inteiro apoio. Foi sua Alteza que "poderosamente contribuiu para revelar ao mundo o génio de Gil Vicente".

Espantemo-nos mais uma vez:

...à volta do seu nome foi levantada, pelo escritor e historiador Anselmo Braancamp Freire, a suspeita de que D.João II fora envenenado a mando da rainha e de seu irmão D. Manuel I. 

Voltarei com mais um post.

====

Obra referenciada:
D.Leonor de Lancastre - Grande Senhora do Renascimento, de Maria de Lourdes Amorim. Ed.Ésquilo - Chancela da Santa Casa Casa da Misericórdia de Lisboa, V Centenário (1498-1998)

21ª Provedora da Santa Casa de Misericórdia de Lisboa

1ª imagem - Estátua em Beja
2ª imagem - Armas da Rainha, em casada
3ª imagem - Brasão das Caldas da Rainha

10 comentários:

  1. Excelente! O cuidado, a informação, a beleza...

    Bj

    ResponderEliminar
  2. https://anna-historias.blogspot.com.es/2017/08/las-horas-de-la-vida.html?m=1..

    Te envio mi hlog pr si deseas visitarlo.

    Besos

    ResponderEliminar
  3. Olá Olinda
    Você nos presenteia com bela poesia e nos agracia esta riqueza de informação
    Um beijinho terno

    ResponderEliminar
  4. Esta poesia, pelo ritmo e musicalidade , senti-a como uma cantiga de amigo, Olinda! Fresca como as "saudades do verde pino". Leve como as águas a que a rainha D. Leonor, se dedicou nas Caldas da Rainha, a bem do bem-estar do povo. Já nesse tempo o hoje SPA, não era um bem para privilegiados, mas para todos.
    Obrigada por nos lembrar o que por vezes nos passa ao longe.
    Boas férias, se for o caso e beijinho!

    ResponderEliminar
  5. Gostei de passar por aqui e saber um pouco mais da história da Leonor de Lancastre.
    Beijinho e um bom domingo.

    ResponderEliminar
  6. Além do poema lindíssimo com que nos brinda, ainda ficamos a conhecer mais um pouco dessa "Mulher de alta cultura, visão atlântica, engenho, arte e poesia". Estou a gostar imenso de a ler.
    Uma boa semana, Olinda
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  7. Excelente resumo organizado com muito bom gosto.
    Grata pelo saber partilhado.
    Beijinhos, Olinda.
    ~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  8. Bem precisávamos de uma D. Leonor agora!
    Beijinhos :)

    ResponderEliminar
  9. Obrigado pela sua visita.
    Mesmo sem comentar...., vou passando.
    Felicidades
    Beijo

    ResponderEliminar