sexta-feira, 19 de abril de 2013

Tu, pensamento, não és fogo, és luz!

Antero de Quental (1842-1891) divide a sua obra Odes Modernas em Livro I e Livro II e estes em temas, os quais preenche com poemas longos e inflamados, numa 'missão revolucionária pela poesia', tendo um papel activo na chamada Geração de 70. Nesta missão também estão Guilherme Braga, Guilherme de Azevedo, Guerra Junqueiro, Gomes Leal e muitos outros. Nuno Júdice faz o prefácio da edição que tenho à minha frente e refere que 'Antero adopta a construção alegórica, na qual as figuras se adequam a um quadro narrativo pré-determinado: a história da luta dos tempos - passado, presente e futuro - cada um dos quais move um determinado número de actores'.  Neste Século XIX, em que estes intelectuais procuram destronar o artificialismo instalado na literatura e que levaria à famosa Questão Coimbrã, é também tempo de severas críticas às instituições civis e religiosas, como poderemos aquilatar pelas não menos famosas Conferências do Casino. Estas conferências seriam o passo seguinte à formação do Cenáculo, em 1868, com Eça de Queirós, Guerra Junqueiro e Ramalho Ortigão, inicialmente grupo boémio mas que depois se polariza na figura de Antero, numa fase de reformismo social. Para já fico por aqui, e retiro das Odes Modernas, não 'Tese e Antítese' cujo verso congregador do último terceto do soneto I 'Tu, pensamento, não és fogo, és luz' tanta gente tem inspirado, mas parte de um poema dirigido 'a uns políticos' e que se insere no tema Vida (páginas 70/71):

V - Vida
(A uns políticos)

Por que é que combateis? Dir-se-á ao ver-vos,
Que o Universo acaba aonde chegam
Os muros da cidade, e nem há vida
Além da órbita onde as vossas giram,
E além do Forum já não há mais mundo!

Tal é o vosso ardor! tão cegos tendes
Os olhos de mirar a própria sombra,
Que dir-se-á, vendo a força, as energias
Da vossa vida toda, acumuladas
Sobre um só ponto, e a ânsia, o ardente vórtice,
Com que girais em torno de vós mesmos,
Que limitais a terra à vossa sombra...
Ou que a sombra vos toma a terra toda!
Dir-se-á que o oceano imenso e fundo e eterno,
Que Deus há dado aos homens, por que banhem
O corpo todo, e nadem à vontade,
E voguem a sabor, com todo o rumo,
Com todo o norte e vento, vão e percam-se
De vista, no horizonte sem limites...
Dir-se-á que o mar da vida é gota d'água
Escassa, que nas mãos vos há caído,
De avara nuvem que fugiu, largando-a...
Tamanho é o ódio com que a uns e a outros
A disputais, temendo que não chegue!

Homens! para quem passa, arrebatado
Na corrente da vida, nessas águas
Sem limites, sem fundo - há mais perigo
De se afogar, que de morrer à sede!

(...)

 


Gosto da sua fase romântica presente em Primaveras Românticas, com poemas de amor e fantasia que ele compõe ainda menino e moço, na casa dos vinte aninhos,(1860-1865), publicados primeiramente em periódicos dispersos sendo depois compilados na referida obra. Voltarei com alguns sonetos.

Poema in: Odes Modernas
A Geração de 70 - Uma revolução cultural e literária - download aqui

26 comentários:

  1. Não conheço grande coisa de poesia destes escritores. Sempre me dediquei mais à leitura em prosa. Poesia, só de Camões, Pessoa, José Régio, Torga,Gedeão, Ary, Ruy Belo, Alegre e outros mais recentes.
    Gostei deste trecho de poesia.
    Um abraço e obrigada pela partilha.

    ResponderEliminar
  2. E agora nesta Primavera que finalmente deu o ar de sua graça, devemos cantar e cantar até que a voz nos doa. Cantar , já dizia o povo, espantamos o mal e é disso que precisamos. Com estes políticos que só olham para o seu umbigo e que na ânsia do poder esquecem o povo, a melhor coisa que temos a fazer é tentar cantar; digo tentar, porque para alguns a situação está para chorar. Pelos vistos, já era assim no tempo de Quental e por isso parece-me que nada mudará. Beijinhos, Olinda e obrigada por todas as informações sobre este nosso escritor. Um bom fim de semana
    Emíloia

    ResponderEliminar
  3. A desfaçatez dos políticos vem de longe em!
    Agorinha mesmo estava lendo uma inversão que o povo inventa por aí (o povo inventa mais não mente), no Face, que dizia uma placa de protesto: "os índios brasileiros descobriram Cabral perdido no mar" achei muito interessante o espírito de humor do povo. Mais, ao longo desses anos todos ainda não aprenderam a se unir e a reivindicar as suas posições na sociedade.
    Também não tenho lido os antigos escritores poéticos, aqui tem dificuldade de encontrar os seus livros.
    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Publicação pertinente, como sempre, Olinda! Atualíssimo o texto, e ademais, as novas gerações precisam saber sobre o pensamento de Quental.

    Li muito pouco dele, meu primeiro contato com a Antero de Quental, foi nos tempos de vestibulares (o exame que aqui no Brasil, nos permite ter acesso às universidades, caso sejamos aprovados), pois era matéria explorada em tal situação, assim como Bocage, Camões e Pessoa.

    Mas me alegra saber o quanto és atenta ao mundo que lhe cerca.

    Um beijo e ótimo sábado, amiga!

    ;))

    ResponderEliminar
  5. É exatamente nas mãos de Jesus que devemos nos colocar quando as coisas não vão bem.
    Se a luta está pesada, busque auxílio nele.
    Somente em Jesus encontramos a verdadeira segurança e a verdadeira paz.
    Agradeço o carinho e compreensão pela demora,
    em retribuir sua visita tão carinhosa.
    Deus abençoe seu final de semana .
    Beijos no coração e meu eterno carinho,Evanir..

    ResponderEliminar
  6. Querida Olinda,
    obrigada pelas tuas palavras, muito mesmo...

    Boa recensão crítica sobre um autor que tanto admiro! Antero e Herculano ...
    Antero é um amor antigo, em menina já decorava poemas dele. Depois aprendi a conhecê-lo.

    Beijinho e boa noite.

    ResponderEliminar
  7. Sempre encontrava, em meio aos livros de meu pai, na imensa estante, obras dos grandes ( e são tantos!) autores portugueses. Li pouco, de Antero de Quental. Agora, que bom, tenho a oportunidade de conhecer mais, com as suas postagens, Olinda.
    Interessante, tão antigo mas tão atual, o tema do poema.
    Tenha um bom domingo, minha querida amiga.
    Um beijo,
    da Lúcia

    ResponderEliminar
  8. Parece escrito tendo em conta a nossa realidade actual.
    Excelente escolha.
    Bom domingo
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar
  9. OI OLINDA!
    SINCERAMENTE, NÃO CONHEÇO A OBRA DESTE ESCRITOR, DO QUAL LEIO PELA PRIMEIRA VEZ UM TEXTO QUE ME AGRADOU MUITO, POR ISTO PRETENDO LER MAIS DE SUA OBRA.
    ABRÇS





    http://zilanicelia.blogspot.com.br/


    ResponderEliminar
  10. Antero era um visionário atormentado, acabando - por isso mesmo - por se suicidar em Ponta DElgada.

    Que esteja em paz!

    Querida Olinda, tenha feliz domingo.

    ResponderEliminar
  11. Como é atual! Nem parece escrito há tantos anos. Eu o conheci na época de estudante, para desenvolver trabalhos "impostos" (rss). Você o trouxe, mais uma vez, ao meu caminho, de forma sugestiva e bela. Bjs.

    ResponderEliminar
  12. Olá amiga Olinda!
    Muito pertinente o poema de Antero! Ontem como hoje os políticos continuam a ter os mesmos modelos ...e o poeta escreveu"...que girais em torno de vós mesmos, que limitais a terra à vossa sombra..." Agradeço a partilha que serve para reflectirmos. Um abraço .
    M. Emília

    ResponderEliminar
  13. Olá amiga Olinda!
    Como este poema de Antero é tão pertinente e tão actual! Os políticos não mudaram...só olham para o próprio umbigo e estão-se nas tintas para o povo....o poeta o diz: "girais em torno de vós mesmos...limitais a terra à vossa sombra".Ontem como hoje, infelizmente!!
    Grata por esta partilha, para reflectirmos.Um abraço.
    M, Emília

    ResponderEliminar
  14. Olinda, muito bom relembrar este período da nossa história literária!
    Beijinhos e boa semana!
    Madalena

    ResponderEliminar
  15. Mas às vezes é uma luz que queima!
    Beijinhos, boa semana ;)

    ResponderEliminar
  16. Minhas saudades é muito grande
    de estar sempre presente no seu blog.
    Estou tentando voltar correndo de tanta saudades
    de visitar a todos que tenho muito carinho.
    Eu vivo justificando sempre minha ausência
    fico triste demais a presença de cada amigo (a)
    é muito importante para mim.
    Fico feliz não só de receber ,
    mais de retribuir o carinho que sempre recebi.
    Espero tudo ficar bem em minha vida
    e nunca mais ficar longe de você.
    Eu não estou fazendo uma lamentação
    cada um de nós tem dificuldades ,
    e problemas na vida também.
    Foi a única forma de
    justificar minha ausência falando
    aquilo que realmente estou passando.
    Deus abençoe sua semana .
    Beijos no coração carinhos na alma.
    Evanir..
    Com Cristo tudo eu posso.
    Eu posso suportar.
    Li com carinho sua postagem estou levando uma grande lição dela
    coisas que a muito não lia.

    ResponderEliminar
  17. Olá Olinda! Como é bom conhecer um cantinho de tão recheado de boa literatura, peço permissão para te per-seguir aqui, pois quero voltar, claro! Aproveito para te convidar para me visitar no blog, é que fui honrada com o convite do Blog "Bicho do Mato" e estou concorrendo ao primeiro concurso de poesias "Pena de Ouro". Meu poema se chama: "Um Soneto em Silêncio" e já está aberto aos votos Ao analisar meu Soneto e achar que o mesmo é digno de seu voto é só dar um clik aqui:
    http://blogdobichodomato.blogspot.com.br/2013/04/um-soneto-em-silencio.html
    Desde já agradeço seu carinho e atenção.
    Uma linda semana pra ti!

    ResponderEliminar
  18. Poesia que nos faz viver com os olhos do futuro. Visionários ou a realidade de cada dia...as politicas parece que não mudam e os políticos não passam de uns artilheiros de palavreado oco.

    Boa aula de literatura

    ResponderEliminar
  19. Olinda, Querida

    A oportunidade, na actualidade e uma igual incoerência dos políticos de hoje.Terá sido premonição?
    "[...] Homens! para quem passa, arrebatado
    Na corrente da vida, nessas águas
    Sem limites, sem fundo - há mais perigo
    De se afogar, que de morrer à sede!"
    Perfeito! Subscrevo com humildade.


    Beijos

    SOL

    ResponderEliminar
  20. Incrível como o tempo parece não haver passado no cenário político...Sempre houve corrupção e desmandos...

    Um grande abraço!

    ResponderEliminar
  21. OLINiDA

    Obrigada pela visita
    Depois de andar adoentada e preocupada voltei...

    vou ler poesia e...escrever poesia

    deixo Amor,Amizade e muito carinho.

    tive mesmo saudades...

    beijos

    ResponderEliminar
  22. Focou no seu texto, vários nomes de poetas
    que eu gosto de portar....
    Este poema....é 'um hino'...!!!!
    Beijo

    ResponderEliminar
  23. Realmente lendo parece de agora.
    Gostei é muito interessante Olinda, bela escolha.

    Beijinho querida.

    ResponderEliminar
  24. É difícil compreender o rumo da vida em alguns momentos.
    Mas de uma coisa não se pode esquecer:Nada é a toa.
    Às vezes,
    o melhor parece ser o pior, e o certo aparenta ser errado, mas tudo faz parte,
    tudo contribui ao crescimento e tem um porquê.
    Viver vai muito além de explicações e ultrapassa todo e qualquer entendimento.
    O IMPORTANTE É SER FELIZ! SEMPRE.
    Deus esteja sempre presente em sua vida.
    Um feliz e abençoado final de semana.
    Beijos no coração carinhos na alma,Evanir..
    Em tempo::Agradeço o carinho
    das palavras deixadas com tanto amor
    na minha viagem.
    Agradeço de coração ,
    e saiba você é uma parte da minha vida.

    ResponderEliminar
  25. Passo para retribuir a atenção que sempre tens para comigo.
    Infelizmente, o meu tempo é sempre tão escasso que corro o risco de parecer apressada...mas tenho um apreço muito especial pelo «Xaile»...

    Beijinho e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar