sexta-feira, 11 de abril de 2014

O Cultivador de Metáforas - Caçador de Relâmpagos num Chão de Claridades

Do alto da sua escarpa o homem contempla o seu reino. Um mar arável, muitas vezes desgrenhado, um chão de claridades onde se despertam luas-cheias, relâmpagos às mãos-cheias, pedras com vida por dentro, pássaros em santuários, e, no meio de tudo, na terra de todas as metáforas, uma romãzeira perene, repleta de romãs que contam uma viagem para além da Taprobana, combatendo Alísios e Adamastores. Cioso, o homem e o seu cão de barro, o Dique, quase gente, guardam as romãs. Numeradas de um a dez, eu olho para elas invejosa, dizendo: Um dia destes levo daqui uma romã. Ele, nada diz. E quem cala consente, não é? A dificuldade: escolher uma delas. Qual trazer se todas são sumarentas, transbordantes de vida, com bagas vermelhas e reluzentes? O Dique vem em meu socorro, leva-me pela mão e indica-me uma. De olhos fechados, embrulho-a no meu xaile de seda e trago-a comigo. 

EI-LA:





Romã nº 4

A remoinhar desertos e tempestades, acordámos à vista da Taprobana que só existe por tão desejada.
Na mítica Taprobana, lá para os lados de um chão de azuis e outros céus estava tudo no seu lugar.
A fragrância inebriante das algas nas narinas do vento, o bolor à superfície, os
retratos nas paredes da casa – fios de música pendurados nas árvores de fruto para adocicar os melros, a partilha do pó pelos melhores objectos, a biblioteca perfilada nas memórias, ténues sinais, utopias que alimentam o pomar onde plantamos os sonhos em voz alta.
Na mítica Taprobana não vi cegos de concertina nas esquinas, amanhãs violados por uma côdea, nem procissões.
Estava tudo no seu lugar. Até as palavras nómadas, reconstruídas a céu aberto, bosques vertebrados, espaços encantatórios, multidões em andamento para concertos de violino e piano, santuários de pássaros, relâmpagos às mãos-cheias a dardejar no cais.
A nossa romã.
Na verdade a Taprobana talvez exista se continuarmos a desbravar caminhos
improváveis.
Atento militante da vida – o Dique, pela primeira vez, ladrou.
Pousei a caneta, rasguei a folha de papel.
Olhei-o nos olhos e disse-lhe com ternura – a partir de hoje és um cão.



Se quiser provar o sabor das outras Romãs ou a melhor forma de construir sonhos e respirar por guelras vá ao Mar Arável. Quanto à bibliografia do autor clique no nome. Penso que está incompleta porquanto a obra mais recente publicada, salvo erro, chama-se 'Chão de Claridades'. 


Nota: A imagem é da Romã nº 3.

15 comentários:

  1. Tão bonito tudo isto, Olinda: o texto, a imagem, a imagem do fundo do blogue, tudo. Há uma primavera sumarenta nas palavras que aqui nos deixa.

    Obrigada.

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  2. Bjs tantos

    Em Abril rebentam os cravos

    ResponderEliminar
  3. (^‿^)❀

    Bonjour et MERCI à toi Olinda pour ce partage !
    Bon dimanche et GROS BISOUS d'Asie

    ResponderEliminar
  4. Minha querida

    Um texto soberbo de um poeta que admiro muito. Obrigada pela partilha.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  5. Muito bom! Obrigada pela divulgação!
    Beijinhos e boa semana ;)

    ResponderEliminar
  6. Assim até dá gosto de comer romãs.
    Este ano tivemos muitas e eram deliciosamente doces.

    ResponderEliminar
  7. Já conheço Eufrázio desde os tempo em que escrevíamos ambos para o " Outra Banda"...

    Boa semana, querida Olinda

    ResponderEliminar
  8. Mas que bela escolha.....Muito apetitosa,,
    Abençoado cão......!!!
    Obrigado por sua visita
    Beijo

    ResponderEliminar
  9. Mas que bela escolha.....Muito apetitosa,,,,
    É um cão maravilhoso,,,
    Obrigado por sua visita
    Beijo

    N:ando desconfiado dos comentários...oxalá sigam..

    ResponderEliminar
  10. Você escolheu uma bela romã para seu Xaile de Seda. Vou provar o sabor das outras, certa de que todas são deliciosas, em vista do talento do escritor. Bjs.

    ResponderEliminar
  11. Fiquei com o sabor da romã na boca.

    Uma partilha muito envolvente.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Oi Olinda!
    Um texto maravilhoso, gostei demais. Vou passar pelo link pra conhecer.
    Deixo um beijo no coração!
    Ótima semana!

    ResponderEliminar
  13. OI OLINDA!
    BELA ESCOLHA, UM TEXTO LINDO.
    ABRÇS

    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  14. Querida Olinda
    Muito obrigada por me dares a conhecer este poeta, de que gostei imenso.
    Já tenho visto, por aqui e por ali, comentários dele, mas nunca o tinha visitado.
    Dei lá um saltinho e gostei imenso, tal como adorei esta tua postagem. A imagem também está linda! Apetece comer :)

    Que a tua PÁSCOA seja excepcionalmente feliz, junto dos teus.

    Beijinhos

    ResponderEliminar