segunda-feira, 6 de junho de 2011

O CERCADO

De que cor era o meu cinto de missangas, mãe

feito pelas tuas mãos
e fios do teu cabelo
cortado na lua cheia
guardado do cacimbo
no cesto trançado das coisas da avó

Onde está a panela do provérbio, mãe
a das três pernas
e asa partida
que me deste antes das chuvas grandes
no dia do noivado

De que cor era a minha voz, mãe
quando anunciava a manhã junto à cascata
e descia devagarinho pelos dias

Onde está o tempo prometido p'ra viver, mãe
se tudo se guarda e recolhe no tempo da espera
p'ra lá do cercado

Ana Paula Tavares

(Dizes-me coisas amargas como os frutos)
http://betogomes.sites.uol.com.br

28 comentários:

  1. Lindo poema que desconhecia...
    Continuamos a interrogar as nossas mães mesmo depois de elas terem partido, não é? :-))
    Não sei se é o caso...
    Agradeço a visita.

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Olá, Daniele

    É sim, os poemas de Paula Tavares são assim, prendem-nos com a sua sensibilidade.

    Beijo

    Olinda

    ResponderEliminar
  3. Olá, Rosa

    Tem razão.O cordão umbilical não se vê mas está lá...

    :)

    Beijo

    Olinda

    ResponderEliminar
  4. Obrigada, Olinda, pela visita.
    Gosto do conceito do blogue.
    O poema escolhido é de grande beleza. Gosto particularmente deste excerto:

    «Onde está a panela do provérbio, mãe
    a das três pernas
    e asa partida»

    bjs

    ResponderEliminar
  5. Amiga Olinda um poema lindo de uma grande sensibilidade.

    Quanto à ajuda para colocar o selinho na barra lateral, aqui vai:

    tem de ir cá a cima onde diz "design", entra em "Adicionar uma miniaplicação", escolhe "Imagem", pode ou não preencher o "Titulo" e "Link", depois tem 2 opções:

    1)Anteriormente vai ao meu blog coloca o rato sobre a imagem crrega no botão do lado direito do rato e escolhe "Gravar como" dá um nome e grava no seu disco.
    Depois no item imagem escolhe "a partir do computador" carregar no botão "Procurar" e escolher a imagem que está guardada.

    2)opção no item imagem escolhe "Da Web" e coloca este link:
    https://lh3.googleusercontent.com/_70JElYVm91Q/TaIMl-2hlsI/AAAAAAAALd8/cOBEDCI_r84/s800/SeloDivagar%20500%20Seguidores.gif
    aparece logo a imagem, depois é só gravar.

    Se tiver dificuldades diga para eu poder ajudar.

    Um grande beijinho
    Maria

    ResponderEliminar
  6. EU VIM AQUI TE CONVIDAR A VISITAR
    MEU BLOG DE POESIAS.
    SE GOSTAR E QUISER ME SEGUIR,
    VOU GOSTAR DE TER POR LÁ SEUS COMENTS.
    GRANDE ABRAÇO,
    JOÃO, POETA.
    WWW.LUDUGERO.BLOGSPOT.COM
    Adorei seu blog. Já estou te seguindo!
    Hiper legal, supimpa mesmo!
    Até mais!

    ResponderEliminar
  7. Vim aqui deixar-te o último beijinho antes da minha partida para o Brasil amanhã de manhã cedo e deparei-me com este belo poema. Não há tempo prometido para viver e por isso há que o aproveitar bem, pois não sabemos qual será o nosso tempo; ele passa num instante...numa roda viva...Beijinhos, amiga e até breve
    Emília

    ResponderEliminar
  8. Querida Emília

    Desejo-lhe boa viagem e tudo de bom lá no Brasil irmão.
    Obrigada por ter vindo aqui dizer adeus.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  9. Olá, querida Maria

    Muito obrigada por ter vindo aqui comentar o poema de Paula Tavares e dar-me uma ajuda para transportar o selo.Depois digo-lhe como é que foi. :)

    Beijinhos

    Olinda

    Olinda

    ResponderEliminar
  10. Olá, Ludgero

    Seja bem-vindo. Irei visitá-lo em breve.

    Muito obrigada pelo convite.

    Abraço

    Olinda

    ResponderEliminar
  11. Olá, Ana

    O excerto que indicou faz-nos logo pensar no lar, nos costumes, no lume aceso...

    Beijo

    Olinda

    ResponderEliminar
  12. Boa noite , Olinda!
    Que belo poema, não conhecia.
    Obrigada por compartilhá-lo.
    Beijos e excelente semana pra ti.
    Com carinho,
    Mara

    ResponderEliminar
  13. Muita sensibilidade neste poema!


    Bjssss

    ResponderEliminar
  14. Oi Olinda.
    Mãe é tudo isso.
    Mãe é nossa iluminação.
    Mãe é amor.
    Mãe é para sempre.
    Mãe é uma só, e capaz de se doar para tantos.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  15. Olá, Mara

    Eu também lhe agradeço os poemas que coloca todos os dias, permitindo-nos ter acesso a um manancial inestimável.

    Beijo

    Olinda

    ResponderEliminar
  16. Olá, Vieira Calado

    Tanto quanto os seus poemas que tem a generosidade de nos dar a ler e apreciar.

    Abraço

    Olinda

    ResponderEliminar
  17. Olá Antônio

    Sim, Mãe é isso tudo e o que ela nos dá perdurará para sempre.

    Abraço

    Olinda

    ResponderEliminar
  18. ... saudades da infância, quando tudo era menos complicado...

    Bjs!!

    ResponderEliminar
  19. Olá, Daniele

    Tempo irrepetível, não é?

    Beijo

    Olinda

    ResponderEliminar
  20. Olinda
    Lindo poema adorei.

    Deixo um beijo com carinho

    e vou passando.

    ResponderEliminar
  21. Os poema de Ana Paula Tavares trás muita sensibilidade que nós envolve na leitura.Gostei muito! Um abraço querida!

    ResponderEliminar
  22. Querida Amiga..
    venho deixar meu carinho desejar que seu Dia seja lindo e abençoado beijos no coração,Evanir

    ResponderEliminar
  23. Olá, Lili

    Bom dia.
    Obrigada pela sua visita.

    Beijinhos.

    Olinda

    ResponderEliminar
  24. Querida Evanir

    O mesmo lhe desejo com muito carinho.

    Beijo
    Olinda

    ResponderEliminar
  25. Querida Smareis

    Um poema que nos lembra a casa da nossa infância, e as coisas lindas que ficaram para trás...

    Beijo

    Olinda

    ResponderEliminar
  26. oi amada tb te sigo obrigado pela visita encantou meu dia.beijos linda noite

    ResponderEliminar