segunda-feira, 9 de julho de 2018

Procuro-te

Procuro a ternura súbita, 
os olhos ou o sol por nascer 
do tamanho do mundo, 
o sangue que nenhuma espada viu, 
o ar onde a respiração é doce, 
um pássaro no bosque 
com a forma de um grito de alegria. 

Oh, a carícia da terra, 
a juventude suspensa, 
a fugidia voz da água entre o azul 
do prado e de um corpo estendido.


Procuro-te: fruto ou nuvem ou música. 
Chamo por ti, e o teu nome ilumina 
as coisas mais simples: 
o pão e a água, 
a cama e a mesa, 
os pequenos e dóceis animais, 
onde também quero que chegue 
o meu canto e a manhã de maio. 

Um pássaro e um navio são a mesma coisa 
quando te procuro de rosto cravado na luz. 
Eu sei que há diferenças, 
mas não quando se ama, 
não quando apertamos contra o peito 
uma flor ávida de orvalho. 

Ter só dedos e dentes é muito triste: 
dedos para amortalhar crianças, 
dentes para roer a solidão, 
enquanto o verão pinta de azul o céu 
e o mar é devassado pelas estrelas. 

Porém eu procuro-te. 
Antes que a morte se aproxime, procuro-te. 
Nas ruas, nos barcos, na cama, 
com amor, com ódio, ao sol, à chuva, 
de noite, de dia, triste, alegre — procuro-te. 

in "As Palavras Interditas"

Encontrei, há dias, Eugénio de Andrade no blog Raraavisinterris. Lembrei-me que há já algum tempo que ele não visita o meu Xaile de Seda. Fui à procura de poemas seus e, claro, a dificuldade esteve na escolha. Acabei por optar por este: "Procuro-te". 

Há sempre algo que procuramos na vida e penso que as palavras deste magnífico Poeta traduzem na perfeição o que nos faz avançar estrada fora, aos mais profundos recantos ou dentro de nós próprios: a procura do sentido da Vida.

======

Poema:  Citador
Imagem: Pixabay  

9 comentários:

  1. "Um pássaro e um navio são a mesma coisa
    quando te procuro de rosto cravado na luz.
    Eu sei que há diferenças,
    mas não quando se ama,
    não quando apertamos contra o peito
    uma flor ávida de orvalho. "
    Eugénio de Andrade foi capaz de fazer os mais bonitos poemas como se fossem simples. Foi sempre muito inspirador para mim que ambicionava chegar à simplicidade da escrita, até que percebi que o mais difícil é ser simples… Amo a poesia do Eugénio. Obrigada, minha Amiga Olinda, por o ter trazido a este seu sítio…
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  2. Olá Olinda!
    Escolheste bem o poema de Eugénio de Andrade. É belíssimo!
    Amiga, que inspiradoras são as tuas palavras sobre "a procura do sentido da vida". Amei!
    Beijo.

    ResponderEliminar
  3. Gosto imenso de Eugénio de Andrade. Nas festas de da turma de Arte de Dizer, já por duas vezes li poemas seus. Não conhecia este. Obrigado pela partilha.
    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Absolutamente fantástico!!!
    Beijo,OLinda.
    Um abração carioca.

    ResponderEliminar
  5. É muito bela a escolha e, eu, amante do poeta que sabe ler a minha alma...volto com ele!
    Beijo,minha querida Olinda.

    ResponderEliminar
  6. Escolheste bem, estimada Amiga,
    o poema é belíssimo.
    Dias lindos e aprazíveis.
    Beijinhos
    ~~~~

    ResponderEliminar
  7. Toda a nossa vida é feita de procuras. Eugénio de Andrade sentia-o, escreveu e agora sentimo-nos por dentro dum belíssimo Poema do "Mestre". Acredito na tua dificuldade de escolha, mas o que escolheste, é muito bom.


    Beijo
    SOL

    ResponderEliminar