sábado, 20 de agosto de 2016

Sento-me então a olhar o rio




Sento-me então a olhar o rio, 
os meus pensamentos formam cardumes 
que contra a corrente se insurgem 
mas as águas são inexoráveis; 
olhando-as, a superfície cintila, 
propaga-se como se fossem notas 
de um piano na garupa de um cavalo 
que se dirige para o mar. 
O rio bebe as cores da cidade, 
sobre elas eu abro o coração 
em que te encontras, as colinas 
emolduram as raízes que à terra
nos ligam. Para os meus olhos 
é um momento de pausa: as coisas 
que interrogo não resistem à maré,
não dão respostas; perdem-se no mar 
como tudo o que a memória não reteve.




Mas este rio 
já foi longamente folheado, nele 
escrevemos o romance de amor 
que nos deu uma casa, 
nos cortou o cabelo, nos afastou 
das rugas, nos entregou o azul 
(tecido, nuvem, divã, janela...) 
o voo das artérias, lugar do corpo, 
portas que nos amanhecem, espelho 
onde fazemos fluir a vida. Acordes 
da guitarra que forja o horizonte, 
que guia o sinuoso voo das gaivotas 
e acaricia a pele que rasga atalhos 
no interior dos sonhos. Estarei 
vivo enquanto me guardar 
teu coração. E no seu lucilar, 
esta água imita o fogo 
que devora sombras e escombros, 
libertando a asa que no sangue 
respira. A foz está próxima, 
mas o horizonte é o teu olhar. 
No leitor do carro, a guitarra flexível 
sublinha o que divago; os acordes 
disparam, 
encontram-me na trajectória do seu alvo. 

Egito Gonçalves
        1920-2001



Mais uma vez, sento-me a olhar o rio nas asas de palavras que voam por sobre a cidade, qualquer cidade, e desaguam na foz, qualquer que seja. Ao fim e ao cabo a foz está próxima mas o horizonte é o teu olhar. Tudo perto e tudo tão longe. Somente o pensamento atravessa fronteiras e desfaz amarras.

Mas, o corpo que é terreno não se dissocia completamente do que o rodeia. Durante a noite oiço a tosse que não pára. Já a oiço também durante o dia. Afino os ouvidos e pergunto-me: Donde virá? Há alguém que sofre aqui perto. Mas em que prédio? Qual a porta? Cá por casa indago. Talvez seja alguém que mora sozinho e precise de ajuda. Como resposta invade-me a preocupação. E resolvo. Vou bater em porta em porta. 


====

Poema: In: A Ferida Amável

Imagem: Pixabay

23 comentários:

  1. Respostas
    1. Fernanda, é mesmo você, Menina?
      Estive algum tempo sem notícias suas.
      Depois fui ao seu blog e encontrei umas
      coisas que não percebi.
      Gostaria que me confirmasse o endereço
      do "aleatoriamente".

      Beijinhos

      Olinda

      Eliminar
  2. Excelente, Olinda.
    Não conhecia o autor...
    Uma escolha muito interessante.
    Gostei muito.
    Beijinho.
    ~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada, Majo.
      Cá a espero para, juntas, fazermos mais leituras como esta.
      Bj

      Olinda

      Eliminar
  3. Um olhar de recordação, um olhar introspectivo.
    Bela poesia que nos faz pensar.

    🌿✿゚╮Bom fim de semana!
    ✿⊰ه° ·.Beijinhos.🌾 ه° ·.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim. Um olhar introspectivo que se projecta para fora.

      Bj

      Olinda

      Eliminar
  4. Bate de porta em porta, minha amiga...talvez possas ver a minha angústia.
    Belíssimo poema de um poeta que adoro, mas que vai sendo esquecido.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não te faltaria, amiguinha. :)

      Beijinhos

      Olinda

      Eliminar
  5. E assin o nosso Egito Gonçalves
    permanece vivo
    Boa partilha
    Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "E aqueles que por obras valerosas /Se vão da lei da Morte libertando,"

      Abraço

      Olinda

      Eliminar
  6. Querida Olinda, que bonito poema e que bonita a decisão! Bonita e infelizmente improvável...
    Beijinhos
    (Não estive de férias, pelo contrário!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem razão, minha amiga.
      Felizmente já obtive a resposta, sem chegar a esses extremos. :)

      Muito trabalhinho então, hein?

      Bj

      Olinda

      Eliminar
  7. E mais uma vez partilha um belo poema. Obrigado por isso.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito bom ter aqui vindo ler este poeta.
      Obrigada.
      Bj
      Olinda

      Eliminar
  8. Quando aqui passo aprendo sempre algo, mais um autor que não conhecia (eu sempre calhei mais para a prosa). Obrigada por mais uma maravilhosa partilha!
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Catarina H.

      Na verdade,temos um mundo imenso de grandes poetas.
      Obrigada pela sua presença aqui no Xaile.

      Bjs
      Olinda

      Eliminar
  9. Não podemos simplesmente ficar a olhar o rio; de vez em quando faz-nos bem essa pausa para reflectir, para recordar, para tentar respostas a perguntas que nos inquietam; mas junto ao rio há uma cidade que vive e nela pessoas que nem sempre podem olhar o rio, nem sempre sabem que esse rio existe; há dores nelas, há pressas em busca de pão, há inquietudes que só elas entendem; temos que tentar o nosso melhor para que esse rio seja para todos, nem que precisemos de " bater em porta em porta"para descobrir de onde vem aquele sofrimento por nós sentido; poderemos pelo menos abrir a janela de par em par e carinhosamente mostrar o lindo rio que por perto corre. Adorei, Olinda e não conhecia nada deste poeta. Obrigada, amiga. Um beijinho
    Emilia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grandes verdades o teu comentário nos transmite. Se cada um de nós se mantiver virado para si próprio, sem olhar em redor, o mundo torna-se cada vez mais opressivo e egoísta.

      Obrigada

      Beijinhos

      Olinda

      Eliminar
  10. Eu, inicialmente, pensei que o final do post pertencia também a uma obra ficcionada, mas agora entendi que a Olinda estava mesmo a referir-se a uma situação concreta! Espero que tudo esteja melhor!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, M.
      Realmente é uma situação concreta.
      Penso que as coisas estão a melhorar.
      Beijinhos
      Olinda

      Eliminar
  11. As águas são uma metáfora irresistível, querida Olinda. Fiquei curiosa em relação a esse tossir... encontrou a quem pertence?
    Abraço
    Ruthia d'O Berço do Mundo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, Ruthia, encontrei.
      Obrigada pelo seu interesse.
      Beijinhos
      Olinda

      Eliminar
  12. Involuntariamente, estou dentro deste poema, apenas não conseguiria expressar, em poesia, de forma tão bela e profunda, o que este estado de "estar sentado a olhar o rio" provoca. Excelente partilha.
    Relevo, de forma assaz positiva, o texto que escreveste. Parabéns!
    BJO, Olinda

    ResponderEliminar