sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Que coisa morreu na minha infância e está lá a ser eu?




Alguém atrás de ti

Como no sonho dum sonho, arde 
na mão fechada de Deus o que passou. 
É cada vez mais tarde 
onde o que eu fui sou. 

Que coisa morreu 
na minha infância 
e está lá a ser eu? 
A lâmpada do quarto? A criança? 

Em quem tudo isto 
a si próprio se sente? 
Também aquele que escreve 
é escrito para sempre. 

Manuel António Pina
    1943-2012




*****

Manuel António Pina vai ser recordado num livro com desenhos e pinturas da autoria de Agostinho Santos e textos de amigos sobre o poeta e jornalista, a lançar no sábado, no dia em que se cumpre um ano da sua morte. Mais aqui ...

Em tempo:

Ver: O Senhor Pina, de Álvaro Magalhães, com ilustrações de Luiz Darocha, lançamento a 18 de Novembro, data de aniversário de Manuel António Pina.







Imagens: Net

15 comentários:

  1. Um poeta de que gosto muito....
    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Gosto dessa leveza.
    Olinda, linda, bom final de semana.
    Xeros

    ResponderEliminar
  3. Há já um ano que Pina se foi, mas a sua obra ficou.

    Querida Olinda, obrigada por o trazer aqui.

    Bom serão

    ResponderEliminar
  4. Um excelente poeta cuja perda me entristeceu. Uma boa escolha da sua parte.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  5. Olá , boa noite Olinda!
    Andei por aqui a passear e a ler bons POETAS! Um abraço amigo.
    M. Emília

    ResponderEliminar
  6. Eu conheço pessoas lindas
    que vivem distribuindo sorrisos
    Eu conheço pessoas que sofrem
    e mesmo assim comunicam alegria
    Eu conheço pessoas incompreendidas
    que sabem compreender
    Eu conheço pessoas íntegras
    que caminham semeando a paz
    Eu conheço pessoas sábias
    que levam o
    entendimento a toda parte.
    Que Deus te abençoe muito ,
    que tenhas um final de semana
    de muita paz e amor.
    Que as bençãos do Senhor venham
    sem medidas sobre tua vida.
    Beijos com infinito carinho e ternura.
    Evanir.

    ResponderEliminar
  7. Minha querida Olinda
    Conheço muito mal a obra de António Pina, mas, com este belíssimo poema, criaste-me vontade de o conhecer melhor.
    Fizeste uma óptima escolha (o que é habitual em ti).

    Que tenhas um óptimo fim de semana (eu vou daqui a pouco para casa da minha filhota, passar o fim de semana).
    Beijos com muito carinho
    Mariazita
    (Link para o meu blog principal)

    ResponderEliminar
  8. Muito bonito, Olinda. Nostalgico e belo.

    Um beijinho imenso

    ResponderEliminar
  9. Tudo o que foi no passado está no que somos hoje; a criança que fomos morreu em nós...foi pena não ter ficado um pouco dessa criança . É tarde...o tempo passa e com ele passa o que fomos...o que somos; é bom que conservemos muito daquilo que fomos, principalmente o espírito de criança . Belo, Olinda. Conheço muito pouco deste poeta, aliás, creio que este é o 1º poema que dele leio. Obrigada, amiga e parabéns pela escolha. Um bom fim de semana beijinhos
    Emília

    ResponderEliminar
  10. Vim em passo ligeirinho
    por aqui passear um instantinho...
    fico pouco tempo
    mas sempre levo sabedoria e carinho
    doce do mundo, cá por dentro!!...
    Gostei deste poema
    acho que bem lá no fundo
    a criança sempre vem à lembrança...
    basta sentar num baloiço
    meditar e esquecer o presente...
    num vai e vem de sorriso contente
    imaginar que o mundo é diferente...
    e pronto...
    temos pequenina gente
    dentro do nosso presente!... :)

    Pois...acordar depois é diferente...
    mas podemos sempre voltar a sonhar!!
    basta no jardim da inocência entrar!!!

    (estive proibida, por prevenção, de estar no PC...
    problemas de saúde já se vê!!
    mas já cá `tou ainda que com reservas
    e sempre com eterno tempo a faltar
    vim só meu beijinho deixar
    e levar o que de bom sempre consigo "apanhar") :)

    Junto ao beijinho desejos de dias felizes amiga (O) Linda

    ResponderEliminar
  11. "Também aquele que escreve é escrito para sempre"... Eu gostaria de ter dito isso, era o que eu tinha a dizer.

    Soberbo!

    Beijo, Olinda!

    ResponderEliminar
  12. Querida Olinda,
    o meu tempo é agora algo de escasso, perdido numa agregação de escolas por aí...e depois volto e encontro, aqui, uma série de edições de autores que tanto amo e leio devagar fruindo este bom gosto e cuidado que o «xaile de seda» põe em tudo. Obrigada!
    Beijo

    ResponderEliminar
  13. Não conheci infelizmente Manuel António Pina, mas acho que ele tinha um jeito de criança no olhar e no sorriso, acho que não perdeu tal coisa!
    Beijinhos

    ResponderEliminar