sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

AMOR DE ESTUDANTE

o soneto 'amor é fogo', de Camões, trazido pela autora do blog divagarsobretudoumpouco suscitou comentários e reacções poéticas lindíssimos. um destes instantes diz respeito ao conto deixado por Bartolomeu e que eu tenho o maior prazer em publicitar aqui. trata-se de um tema que versa sobre aquele encantamento da pré-adolescência/adolescência, em que tudo tem a dimensão do próprio mundo. presumo que todos nós passámos por momentos mágicos como este.

AMOR DE ESTUDANTE

Há muitos anos... há tantos, que os meço já numa escala de eternidade, frequentava o meu secundário, quando conheci uma coleguinha linda e... enamorei-me.

Mas, de tão linda ser, mesmo sem nada por isso fazer, por ser natural a sua beleza, captava a atenção e o interesse de mais uma equipe de outros enamorados.

Todos os enamorados, talvez copiando os rituais de sedução de algumas aves, exibiam os seus dotes físicos, aprimoravam-se nas vestimentas e nos galanteios e desfilavam em frente à jovem diva, enviando sorrisos, piscar-de-olhos e, os mais atrevidos, mandavam beijinhos por via aérea, com a finalidade de conquistar tão belo exemplar feminino.

Eu,fazia parte da estatística, sem contudo fazer parte da lista dos exibicionistas. Olhava mais de longe e arquitectava mentalmente, fórmulas de aproximação e sedução, sem me decidir por aquela que me parecesse a mais apropriada e infalível.

Eu morava em Algés e com frequência viajava na mesma carruagem do comboio, onde a musa continuava depois de me apear.

Um dia, quase a chegar à minha estação, decidi resolutamente aproximar-me e... sem mais nem porquê, recitei para a minha musa, de seguidinha, estas quadras do Luís Vaz com que nos presenteias.

Ela, escutou sentada, com as mãos abraçadas sobre o regaço e os olhos fixos nas mãos. Eu, recitei de cor, sem ouvir o que estava a dizer. O comboio, parou com um solavanco, acordando-me do sonho que sonhei que sonhava, e saí num atropelo, antes que as portas se fechassem. Na gare parei, desorientado, tentando identificar a janela em frente ao banco onde ela se sentava. O comboio iniciou a marcha, o meu olhar saltou sôfrego de janela em janela, até a encontrar, sentada onde a deixei momentos antes, mas agora, tinha o rosto erguido e voltado para a janela... quando encontrou o meu, sorriu.
Senti o impulso de correr atrás do comboio, de o mandar parar, mas as pernas, os pés não se moviam, pareciam colados ao empedrado da gare. Já o comboio ia lá ao fundo, quando dei o primeiro passo, ainda com a sensação de estar a meio caminho entre o céu e a terra. Só depois senti a alegria imensa, a euforia que aquele sorriso provocou em mim. 
No dia seguinte, na escola, fiz os possíveis para me cruzar com ela nos corredores, nos intervalos das aulas. Da primeira vez, trocámos desejos de bom dia e sorrimos. Das vezes seguintes, trocámos olás. Ao final do dia de aulas, esperei por ela a meio do percurso entre o liceu e a estação dos comboios, perguntei-lhe se a podia acompanhar, respondeu que sim; inventei uma conversa atabalhoada, sem jeito. Ao chegar à minha estação despedimo-nos com um olhar mais intenso e um até amanhã que soava a um "não vás" e a um "não quero ir"...
Com o fim do ano lectivo, vieram as férias e a separação, no ano seguinte andei como um zombie pela escola, procurando o rosto belíssimo da minha musa. Nunca mais voltei a vê-la.



Mas, fiquei a dever a Camões aquele namoro edílico, que quase me remeteu para angústia daquele outro soneto:


alma minha gentil que te partiste 
tão cedo desta vida descontente...



Bartolomeu

Blog: avançando


        obrigada, Bartolomeu. texto lindo!


M

ote para este post:

Quinzena do Amor

A imagem, tão amorosa, retirei-a do google,

se ferir direitos de autor ou susceptibilidades


retiro-a.

17 comentários:

  1. Minha querida

    Quanta doçura neste texto...como as recordações doces que ficam do despertar do corpo e sentir a primeira paixão.Lindo.

    Deixo um beijinho com carinho e desejo um bom fim de semana.

    Sonhadora

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. olá, Sonhadora

      é como diz, recordações doces que nos acompanham pela vida fora.

      beijinhos e retribuo os votos de bom fim de semana.

      olinda

      Eliminar
  2. Olinda, é com um toque de nostalgia que leio este depoimento de alguém que amou, com um dos amores mais lindos.
    O amor de um colegial que tantos ainda querem reviver mesmo após se tornarem adultos.
    E o que há de mal? É lindo e romântico tal sentimento.
    Há inclusive quem se apaixone nesse período por sua professora.
    Lembrei-me agora de uma canção do Hot Chocolate chamado It Started With A Kiss, onde se fala justamente desse amor tão lindo, glamoroso e romântico.
    Um abraço, um beijo do amigo e leitor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. amigo Antônio

      é dos amores mais lindos e puros, que nos aconchegam a alma mesmo depois de muitos anos. Diz bem: lindo e romântico...

      um grande abraço e um bom fim de semana.

      olinda

      Eliminar
  3. Olá Olinda,

    Gostava tanto de aqui participar mas nem sei como. Tenho escrito tantas coisas sobre o amor que nem sei como escolher. Quer a Olinda repescar um qualquer texto à sua vontade e inseri-lo aqui, onde melhor entender? Ou isso é uma trabalheira e prefere que lhe envie eu o link para um qualquer dos meus textos?

    Diga-me como prefere, está bem? É que eu gostava de lhe deixar aqui uma lembrancinha, um bocadinho de mim.

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. olá, minha amiga

      fiquei contentíssima com estas suas palavras. vou adorar ter um dos seus lindos textos aqui no 'xaile com pérolas'.uma lembrança preciosa...a dificuldade, da minha parte, estará na escolha. aguardo um link seu, sim? deixei-lhe um recado no ginjal.

      beijos

      olinda

      Eliminar
  4. Olinda amiga:
    Esta história de um 1º amor é linda. Quantos a vivemos? Quantos de nós, sentimos um amor assim? Acho que muitos. Um olhar, um sorriso, uma palavra, um roçar de dedos leve e envergonhado... Amor de adolescente, puro e belo. Podemos até esquecê-lo. Mas um dia, ele volta à nossa cabeça e, sentimos dentro de nós, a pureza e o encanto dele.
    Parabéns e obrigada ao Bartolomeu. Lembrou-me... não é difícil adivinhar, pois não?
    Beijinho Olinda.
    Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tem razão, querida Maria, uma história lindíssima. o nosso amigo Bartolomeu tem esta arte de escrever textos sobre variados assuntos e todos com esta qualidade... de uma sensibilidade enorme.
      Amor de adolescente, sim é isso! deixa a sua marca, numa saudade indelével e sempre recordado com ternura.

      sim...não é difícil adivinhar... (sorriso)

      beijinhos

      olinda

      Eliminar
  5. Poruqe será que nunca se esquece o primeiro amor? Porque será que, geralemnte, acaba em lágrimas?

    Bom fim de semana, carissima

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. querida São

      não se esquece, normalmente acaba em lágrimas e recordado entre sorrisos de ternura...

      bj

      olinda

      Eliminar
  6. Olinda, minha Amiga, talvez por modéstia, ou então, por falta do que dizer a mais do que já tinha escrito, não me atrevi a comentar este post. Se o tivesse feito, seria somente para concordar com os generosos comentários que foram postos.
    A causa porque efectivamente comento, prende-se com a forma das tuas respostas aos comentários. Por aquilo que me apercebo, já escreves com acentos e maiúsculas. Espero sinceramente que estes sinais sejam de melhoras do ferimento que sofreste.
    Estou certo?!
    ;)

    ResponderEliminar
  7. caro Bartolomeu

    o teu texto é de um lirismo imenso. o que me faltam são palavras para exprimir o quanto admiro a tua forma de escrever.

    a mão já quer voltar à normalidade embora ainda muito condicionada. com a esquerda vou-me obrigando a recorrer às maiúsculas e aos acentos. nem sempre dá mas tenho de me ir habituando...

    obrigada por teres aqui vindo saber do meu handicap, penso que provisório (muitos smiles)

    grande abraço

    olinda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ´..oh, provisório não, temporário... -risos-

      Eliminar
  8. venho sempre atrasada :)))ai, céus esta vida apressada!!!!
    já tinha lido, confesso, mas escrever não dava tempo
    e agora que digo eu?
    que este texto me comoveu?
    sabes Bartô, recordo nos olhos meus, todos os dias
    ainda um pouco destas "especiarias"!
    lá numa das escolas onde anda minha pessoa
    tem desta cena, coisa boa...
    eles não entendem ainda
    mas já vejo a lagriminha a luzir
    e um dia o coração a sorrir!!!:)
    obrigada meu amigo!!!
    o texto é um "poema" com todo o sentido!

    :))))
    beijo e restinho de bom domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Bailarina

      São dores de crescimento, esse mal de amor, não é? o coração ainda é pequenino mas ama à sua medida :) Razão tem o ditado que reza: o amor não escolhe idades.

      grata pela tua presença sempre tão airosa.

      Beijinhos

      Olinda

      Olinda

      Eliminar
  9. Que bela história, uma memória linda a que o Bartolomeu nos trouxe.
    A adolescência é um precioso tempo de descobertas, de escolhas, de porvir(es), o mundo está sob os nossos pés, e o tempo é nosso aliado, ainda estamos escrevendo as histórias, e tudo pode ser refeito sem tantos prejuízos. E a marca indelével do 'primeiro amor', da 'primeira paixão', estará conosco ad eternum, não necessariamente com dor, ou com um saudosismo sofrido, não, apenas parte de um capítulo da nossa escrita de vida, que foi muito bem descrito pelo Bartolomeu.

    Beijo, querida Olinda!

    ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida

      Tenho tido estes dias experiências maravilhosas, com os textos sobre este sentimento maravilhoso que é o Amor. Este do Bartolomeu remete-nos para aquela faixa etária das urgências, em que o mundo acaba se não corrermos logo atrás do sonho e tudo é sentido com uma veemência muito peculiar.Mas é como dizes o tempo das descobertas e das escolhas e ele está realmente a nosso favor ...

      Beijinhos, amiga.

      Olinda

      Eliminar