segunda-feira, 4 de maio de 2015

A "Larus dominicanus"




De asas mais escuras, patas esverdeadas e porte superior em relação às gaivotas comuns, esta gaivota-dominicana foi avistada e fotografada, por um jovem, na semana passada. 

Assim, biólogos e observadores de aves têm a atenção voltada para a praia de S. João da Caparica, dada a raridade dessa espécie por estas paragens. A sua proveniência situa-se no hemisfério sul, com colónias no Chile e na África do Sul. Vi aqui que o primeiro avistamento no território nacional ocorreu no ano passado.

Ficará por cá este gaivotão? Talvez se enamore dos céus de Lisboa e arredores ou mesmo de todo este jardim à beira-mar plantado, cruzando-se com  as autóctones e oferecendo-nos gaivotinhas pintalgadas. Não seria mau, não. Precisamos é de renovação. Renovação de ideias e de mentalidades.

Entretanto, deixemo-nos levar nas asas destes versos de Eugénio de Andrade, Com as Gaivotas:

Contente de me dar como as gaivotas
bebo o outono e a tarde arrefecida.
Perfeito o céu, perfeito o mar, e este amor
por mais que digam é perfeito como a vida.

Tenho tristezas como toda a gente.
E como toda a gente quero alegria.
Mas hoje sou de um céu que tem gaivotas,
leve o diabo esta morte dia a dia.

====

Poema de aqui


12 comentários:

  1. Noutro dia, vi uma enorme, cá em em Gaia. Seria dessa espécie?
    Beijinhos, boa semana :)

    ResponderEliminar
  2. É uma gaivota e tanto! Também espero que queira ficar entre nós. O céu de Lisboa já é lindo de qualquer maneira, mas com umas gaivotas assim fica ainda mais belo.

    Fantástica foto e, como sempre, fantástico poema.

    Bjs

    Isabel Gomes

    ResponderEliminar
  3. (^◡^)✿


    Oh ! Que c'est beau !

    J'adore ❤

    MERCI Olinda pour ce superbe partage !

    GROSSES BISES D'ASIE
    et bon lundi !!!

    ResponderEliminar
  4. Estou em afirmar que sim. Haverá alguém que não goste dos céus de Lisboa ??

    ResponderEliminar
  5. ~ ~
    ~~~~~~~~ «Arima»

    ~~~~ «Uma gaivota, dizes.
    ~~~~~~ Sim uma gaivota
    ~~~~ passa distante e arde.
    ~~~~~ O teu rosto é azul,
    ~~~~e contudo está cheio
    ~~~~~ de oiro da tarde.

    ~~~~~~~Uma gaivota.
    ~~~~~ alma do mar e tua,
    ~~~~~ abandona-se à luz.

    ~~~~ E na boca nem eu sei
    ~~~~se me nasce o coração
    ~~~~~~~~ ou é a lua.

    ~~~ Eugénio de Andrade ~~~

    ~ Abraço cúmplice e amigo.~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  6. Interessante . E que venham renovar e alegrar as existentes... E digo - o porque na cidade do Porto , há locais onde há mais gaivotas pelos ares que no mar. Gritos estridentes, fazendo minhos nos telhados, voando noite dentro numa aflitiva agitação ! Que se passa com as gaivotas sempre em
    Terra?
    Beijinho , Olinda

    ResponderEliminar
  7. Todos os dias vejo as Gaivotas aqui na Praia Azul..
    Belo poema..... , grande poeta......
    Beijo

    ResponderEliminar
  8. Provavelmente Eugénio de Andrade viu algumas na Foz do Douro; tal como Nobre em Leça da Palmeira. Locais por onde elas abundam; e, de facto, bem se distinguem das outras, talvez suas primas...
    Do mais... é um prazer (re)ler Eugénio de Andrade!
    abraço, amiga.

    jorgesteves
    www.tintapermanente.pt

    ResponderEliminar
  9. Fernão Capelo Gaivota
    É uma espécie diferente.
    Arrisca, dá boa nota,
    Compete com toda a gente
    E vence, todo contente,
    Com a sua cambalhota.

    Beijos


    SOL

    ResponderEliminar
  10. Belos versos! Quando vejo programas que mostram aves, peixes, e mesmo animais que estão migrando para lugares distantes de seu habitat usual, fico pensando sobre as alterações havidas na natureza e que estão a provocar o fato. A foto ficou ótima e desconhecia essa gaivota. Por certo vai se encantar com o que ora vê por aí. Bjs.

    ResponderEliminar