domingo, 8 de dezembro de 2013

Comamos, bebamos e amemos...

Foi filósofo, poeta, escritor, empresário, editor, comentador político, tradutor, inventor, astrólogo, publicitário, jornalista. Contou vidas que não viveu, escreveu cartas de amor 'ridículas', assinou com heterónimos como Álvaro de Campos, Alberto Caeiro, Ricardo Reis, mas todos o conhecem pelo nome de baptismo, Fernando Pessoa.

Não gostava particularmente de comer, mas todos os dias sentava-se invariavelmente às 19 horas, na mesma mesa do Martinho da Arcada a comer a sopa do dia. O seu velho amigo Mourão, preocupado com a sua saúde, inventou uns ovos estrelados com queijo, que lhe punha na mesa sem que ele lhe pedisse. Sobre os comeres escreveu em tempos, "Comamos, bebamos e amemos (sem nos prender sentimentalmente à comida, à bebida e ao amor, pois isso traria mais tarde elementos de desconforto)".

Foi na África do Sul, que Pessoa apurou o paladar e descobriu temperos exóticos. Entre eles "curry", do indiano "kand'hi" (molho), talvez por isso um dos pratos que apreciava, fosse galinha com molho curry. Apesar de não saber nem estrelar um ovo, diz-se que apreciava cozido à portuguesa, leite creme e arroz doce. Mas a dobrada à moda do Porto parecia da sua predilecção, tanto que lhe dedicou um poema escrito, segundo consta no restaurante 'Ferro de engomar', em Benfica. Sabores de Pessoa, entre continentes e letras...

Este texto, que encontrei numa revista de culinária*, vem acompanhado das receitas dos pratos que, segundo aqui se diz, eram da predilecção de Pessoa. Vou transcrever a de galinha com molho curry, que o mesmo é dizer, galinha de caril de que gosto muito:



Galinha com molho curry - Ingredientes: 1 galinha grande, 1 maçã reineta, 1 cebola grande, 3 dentes de alho, 50g de coco ralado, 0,5 dl azeite, 2 colheres (sopa) de caril indiano em pó (curry), 1 folha de louro, salsa ou coentros q.b., sal e pimenta q.b.
Preparação:1) Arranje a galinha, corte-a em pedaços e tempere-os com sal e pimenta. Descasque e lave a cebola e os dentes de alho e pique-os finamente. 2) Leve um tacho ao lume com o azeite, deixe aquecer, junte os pedaços de galinha e deixe cozinhar até ficarem douradinhos de ambos os lados. Adicione depois a cebola, os dentes de alho e a folha de louro e deixe cozinhar mais um pouco até que tudo fique douradinho. Regue com 5 dl de água, junte o caril e o leite de coco, mexa e deixe ferver. 3) Descasque e rale a maçã reineta, adicione ao tacho e deixe cozinhar até que o frango fique macio e o molho apuradinho. Junte então o coco ralado, deixe ferver um pouco para engrossar, retire do lume e sirva polvilhado com salsa ou coentros picados. Acompanhe com arroz branco.

Esquisito ver o nome de Pessoa associado a receitas de culinária? Nem por isso, comer faz parte da vida. E sabemos que vários autores, de renome, da nossa cena literária diziam da sua justiça nesta matéria como, por exemplo, Eça de Queirós que interpela assim os seus contemporâneos:

"Onde estão os pratos veneráveis do Portugal Português, o pato com macarrão do século XVIII, a almôndega indigesta e divina do tempo das Descobertas ou essa maravilhosa cabidela de frango, petisco dilecto de D.João IV..." In:Gastronomias.com

E, ainda, este excerto de 'A Cidade e as Serras', aqui referido:

"Cheguei a Guiães. Ainda restavam flores nas mimosas de nosso páteo; comi com delicias a sopa dourada da tia Vicencia; de tamancos nos pés assisti a ceifa dos milhos. E assim de colheitas e lavras, crestando ao sol das eiras, caçando a perdiz nos matos geados, rachando a melancia fresca na poeira dos arraiaes, arranchando a magustos, sarandando à candea, atiçando fogueiras de S. João, enfeitando presépios de Natal, por ali me passaram docemente sete anos. (...) Do Jacintho recebia raramente algumas linhas, escrevinhadas à pressa por entre o tumulto da civilização. Depois, num setembro muito quente, ao lidar na vindima, meu bom tio Affonso Fernandes morreu, tão quietamente... A minha afilhada Joaninha casou na matança do porco. Andaram obras no nosso telhado. Voltei a Paris."

* A revista a que me refiro é a Teleculinária (Especial), de 30/09. Traz uma nota, quanto ao texto transcrito, sobre F.Pessoa: 'Pesquisa feita através do blogue de Lectícia Cavalcanti, coordenadora do caderno Sabores da Folha de Pernambuco'. A imagem da 'galinha de caril' não é a mesma da revista, mas tirada da Internet. Os meus agradecimentos a todos os que disponibilizaram estes dados.


34 comentários:

  1. Delicioso post, o seu, Olinda. Ontem também me deu para as culinárias lá no meu UJM. Não me puxa muito para pratos que incluam coco e/ou caril pois os miúdos embirram um bocado mas, ao ler a receita fiquei com vontade de me aventurar por estes caminhos.

    Achei graça que Fernando Pessoa, criatura tão estratosférica, aparecesse aqui ligado 'pela barriga' a temas tão terrenos.

    Este seu sítio é mesmo um baú de onde saem achados surpreendentes (tal como a arca de Fernando Pessoa, lá está).

    beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo, UJM. Quando há crianças é sempre complicado apresentar estes pratos com sabores exóticos.
      Da arca de Fernando Pessoa parece que ainda vão sair muitas surpresas. Há quem diga que há ali material de estudo para uns bons anos...

      :)

      Beijinhos

      Olinda

      Eliminar
  2. Muito interessante mesmo!!

    Teve curry na receita, já gostei!!

    Beijos!!

    ResponderEliminar
  3. Fiquei a pensar no que comeria Camilo... ;)
    Beijinhos, boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara M.

      Aguçou a minha curiosidade. Já tinha ouvido falar da profusão de referências gastronómicas nos livros de Camilo Castelo Branco. Assim, o seu comentário incentivou-me, fui à procura e encontrei este livro:'Camilo Castelo Banco e o Garfo', de José Viale Moutinho.

      A apresentação do livro diz isto:
      'José Viale Moutinho, conhecido investigador de Camilo Castelo Branco, debruça-se desta vez sobre a gastronomia na obra de Camilo. Percorrendo os inúmeros livros do escritor e textos dispersos, recolheu as invulgares citações relacionadas com alimentação e procurou descobrir o modo de confecção da época. Desde a truta de escabeche ao toucinho-do-céu, as dezenas de citações e receitas que compõe este livro certamente irão agradar tanto camilianistas como amantes da cozinha.
      'http://traga-mundos.blogspot.pt/2013/11/gastronomia-em-camilo-castelo-branco.html

      Recupero aqui a citação de Confúcio, trazida pela amiga, Ana Tapadas:

      'Comer é divino."

      Bj

      Olinda

      Eliminar
  4. ❀ ❀ ❀
    Hello et merci pour cette publication intéressante.
    J'adore le curry ! hum !!!!

    Très beau partage ! MERCI !
    GROS BISOUS vers le Portugal et passe un bon lundi
    ❀ ❀ ❀

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Nancy.
      Gosto muito de a ver por aqui. :)

      Bjs

      Olinda

      Eliminar
  5. Lembro-me como descrevia a comida em "A Cidade e as Serras", por exemplo...

    DE Pessoa não tinha essa ideia.

    Quanto às cartas, francamente, aquelas que li são mesmo ridículas. Se fossem apresentadas sem se saber o autor, penso que ninguém as leria e muito menos as publicaria.

    Claro que admiro a sua poesia, não tem nada a ver...mas , para mim, é sempre Pessoa que escreve.

    Boa semana, querida Olinda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é sempre Pessoa, na sua multiplicação do 'eu'.

      Bj

      Olinda

      Eliminar
  6. hello en passant un petit peu par ici

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Amandine.
      Tudo de bom para si.

      Bj

      Olinda

      Eliminar
  7. Fiquei com fome...
    Não sabia desses pormenores do Poeta com a comida.
    Mas um bom poeta, no passado, tinha que ser meio tísico...
    Olinda, tem uma boa semana.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A languidez fez história, no passado, tanto no que diz respeito às mulheres como aos homens.
      Temos exemplos na cena nacional de autores que morreram tísicos, como por exemplo, Júlio Dinis, Cesário Verde...Mas acho que foi mais porque a descoberta de Koch (1882) quanto ao bacilo causador da doença ainda não tinha acontecido, no primeiro caso, e, no segundo, talvez a cura ainda não estivesse generalizada. Estes são apenas dois casos…muitos outros poderíamos apontar.

      Mas, voltando ao nosso tema, temos bons exemplos de poetas e romancistas 'bons garfos' e que faziam alarde disso nos seus livros. :)

      Abraço

      Olinda

      Eliminar
  8. Você me apresentou um outro lado do grande escritor. Nem sempre vemos referências à vida pessoal deles, nesse aspecto.
    Olinda, desejo-lhe um Natal iluminado, vivido com o real espírito da data, em clima de união, harmonia e amor. Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E, por vezes, esquecemo-nos que os génios também são humanos, com as suas qualidades e fraquezas.

      Beijinhos

      Olinda

      Eliminar
  9. Há pássaros que voam

    com os pés no chão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São os tais que, num golpe de asa, se elevam e 'se vão da lei da morte libertando'.

      Abraço

      Olinda

      Eliminar
  10. Olá amiga Olinda!
    O que eu aprendi hoje! !!
    Nunca me passou pela cabeça que o nosso Pessoa gostasse de frango tão apuradinho, ou de tripas à moda do Porto. Do Eça sabia e já estive em Tormes a fazer uma refeição tipicamente queirosiana. Foi divinal. Um abraço .
    M. Emília

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Emília

      Uma refeição tipicamente queirosiana! E eu que não sabia nada disso. Aliás, há tanta coisa que eu desconheço... Ganho imenso com a vossa presença e os vossos comentários.Trazem-me sempre informações que enriquecem sobremaneira os temas dos meus posts.

      Muito obrigada.

      Bjs

      Olinda

      Eliminar
  11. Bom dia
    Características de Fernando Pessoa que pouco se ouvem falar, mas penso que devemos saber comer, beber e amar para nos mantermos em boa forma.

    Galinha com caril dispenso...pode ser só cozida com água e um pouco de sal ...temperos não gosto...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De acordo, Luís.
      Há que saber aproveitar as coisas boas da vida.

      Franguinho cozido também é bom, então numa boa canja, uma delícia.

      ;)

      Abraço

      Olinda

      Eliminar
  12. Que figura tão inspiradora a de Fernando Pessoa!
    Beijinhos, bom dia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Através da escrita, deixou a sua marca.

      Bjinhos

      Olinda

      Eliminar
  13. Indiscutivelmente um homem de várias facetas. Fernando Pessoa é incomparavelmente um dos maiores escritores além de tudo que foi na vida. Um currículo invejável!

    Pra você parabéns pela postagem.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De várias facetas, uma visão da vida sob vários ângulos, multiplicando-se e renovando-se a cada instante.

      Obrigada pela presença.

      Abraço

      Olinda

      Eliminar
  14. ❀ ❀ ❀
    Bonjour Olinda et MERCI pour ta visite sur mon petit blog.
    BISES d'Asie vers le Portugal !!!
    ❀ ❀ ❀

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Nancy pela tua tão simpática presença.
      Gosto muito do teu blog, é luminoso. :)

      Beijinhos

      Olinda

      Eliminar
  15. Minha amiga, «Comer é divino», já nos ensinara Confúcio e o nosso Pessoa sabia-o.

    Que bela sugestão para uma prof.ª sem grande inspiração nestes últimas dias de aulas...e tanta tarefa...

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confúcio, um génio. Fernando Pessoa não lhe fica atrás.
      No meio das tarefas profissionais, um pensamento gastronómico divinal.
      Excelente!

      Obrigada, querida Ana.

      Beijinhos

      Olinda

      Eliminar
  16. Tenho de folhear em breve os três volumes de Fernando Pessoa que aqui tenho, em busca de inspiração...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De vez em quando faço isso. Folheio uns quantos que aqui tenho em fila de espera, e vou pescando ou repescando algumas ideias...

      Beijinhos

      Olinda

      Eliminar
  17. Enchi-me de vontade de comer tripas à moda do Porto, francesinha e uma "feijoada de frutos do mar", que só existe no Porto, no restaurante da cantina universitária Novais Barbosa...

    Adorei ler esse poste, amiga, mais uma vez saio daqui com outros sabores que eu não conhecia.

    Um beijão!!

    ;))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dá mesmo vontade de dar um saltinho até lá, não é? Lembro-me que quando fui ao Porto pela primeira vez pus-me logo à procura dessas iguarias. Já referi num dos meus posts, (sobre o 'Café'), que quando, ali, pedi uma 'bica' o empregado ficou a olhar para mim mas depois percebeu e disse a sorrir: 'Ah! um cimbalino', (o mesmo nome que a marca da máquina). São os tais regionalismos, hábitos, costumes que fazem a identidade e a delícia de cada terra.

      Obrigada, amiga.

      :)

      Beijinhos.

      Olinda

      Eliminar