quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

O Pão Cresceu Nas Nossas Bocas

Poema: Eufrázio Filipe
Imagem:Lusofonia Poética



Ver-te assim tão indecifrável
nos contornos e nas arestas
ancorada nas marés
em chama viva
a entrar pela casa vazia
sem desistires do silêncio
a resistir mesmo quando doem
os passos e as pontes
fez-me pedir ajuda
a um cântaro de água fresca
às pedras que cantam e tropeçam
nos pés das videiras

Foi assim que nos despimos
e vindimámos
para os barcos cumprirem
o seu efémero destino

As uvas morreram nas tuas mãos
mas o pão cresceu nas nossas bocas

Eufrázio Filipe

MarArável (Blog)

 *****

O quê? Um mar que se pode lavrar? Sim, e que lavradio!

Este é o meu Poeta do absurdo ou dos absurdos, que me faz pensar muito depois de ler um poema seu, a começar pelo título. Penso que este já seria matéria suficiente mas o que, normalmente, vem a seguir intensifica esta vontade de querer aprofundar mais e mais para chegar ao cerne do seu desenvolvimento poético e filosofia de vida. Nem sempre chego lá, mas a beleza das palavras, como direi, a forma como cada expressão e cada verso se empolgam de vida, faz-me ver para além da minha condição humana e pairar mais acima.  

A imagem que aqui trago, provém do blog da Mara, Lusofonia Poética, um blogue que faz a divulgação dos poetas da lusofonia. Se quisermos mergulhar neste mundo imenso, e ter momentos de poesia dos mais variados quadrantes, em língua portuguesa, é para lá que dirigimos os nossos passos. 


Amigos:

Por agora, fiquem na excelente companhia de Mar Arável e Lusofonia Poética. Voltarei com Festa de Xailes. Afinal, o que estamos nós a festejar? Dou um doce a quem adivinhar... :)

Abraço

Olinda

***
Poema publicado no 'Para lá do Azul'- indicação do autor

16 comentários:

  1. Conheço a escrita do Filipe há décadas e tive o gosto de colaborarmos no mesmo jornal regional-


    Um abraço a ambos, querida amiga

    ResponderEliminar
  2. Não sei o que estás a comemorar (também não me davas o doce), mas o poema é lindíssimo....

    Nos tempos que correm o que mais cresce nas bocas é água:)))

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Não sei o que estás a preparar com essa festa de xailes, mas não será uma festa de poesia, da mais variada, já que estamos quase a chegar à Primavera? Bem...não sei, só sei que vai ser uma boa festa de certeza. Quanto ao poema é muito lindo e profundo. Temos que resistir, apesar das pedras, apesar dos silêncios, apesar do fim da colheita; ha sempre um balde de
    água fresca para nos matar a sede; quanto ao pão...esse nem sempre aparece.. Não conhecia este autor; vou pesquisar sobre ele. Um beijinho, querida amiga e, já sabes...estou curiosa sobre essa festa; estarei presente com certeza.
    Emília

    ResponderEliminar
  4. .



    Será que roubaram mesmo
    o carro dele ou foi char-
    minho para conseguir um
    colo?

    Mais detalhes no meu
    Blog.

    Beijos,

    silvioafonso








    .

    ResponderEliminar
  5. Que maravilha!
    Tudo perfeito: imagem e poema.

    Só uma ressalva: aquelas tabelas de retenção na fonte, ali na margem direita...


    Beijo grande, com carinho.

    ResponderEliminar
  6. Olá querida Olinda,
    O poema? É lindo!
    E a comemoração? Vem já contar-nos! rsrsrsr
    Beijo querida

    ResponderEliminar
  7. Querida amiga

    Por tuas mãos
    o belo de muitas
    palavras,
    nos chegam
    ao coração...

    Desejo que o amor,
    faça morada em seu coração.

    ResponderEliminar
  8. Amigos, verdadeiros são para sempre, porque
    quando dois corações se unem, formando um só,
    DEUS se manifesta ali, através do amor
    e o amor é mais forte que a morte,
    é benigno, paciente, tudo sofre, crê, supera.
    não se ufana, nem se ensoberbece, apenas ...ama.
    certamente, permanece.

    Desejo um abençoado final de semana
    Beijos no coração carinhos na sua alma,Evanir
    Por favor me perdoa por deixar cola
    não estou conseguindo digitar.
    Isso é para não deixar de passar nos blogs.
    Deus sabe o quanto você é importante para mim.

    ResponderEliminar
  9. Olá,, como está?
    Vim pôr-me ao corrente das novidades
    e deixo
    saudações poéticas!

    ResponderEliminar
  10. Interessante o poema. Não sabia desse 'ajuntar' de poesia. Vale a pena.
    abraço.

    ResponderEliminar
  11. Olinda estou encantada, com o poema e suas palavras são grandiosas.
    O que comemoras, fiquei curiosa. kkkkkk
    Xeros

    ResponderEliminar
  12. O Eufrázio é o poeta das minhas contradições, ao mesmo tempo em que me enche a Boca da mais bela e necessária poesia; me deixa com fome e desejo diante da sua poética, porque sempre quero mais...

    ResponderEliminar
  13. Com Xale (xaile) a comemoração só poderá ser de "alto nível", pela beleza que ele encerra. Tenho alguns, portugueses inclusive, mas o calor aqui não me dar a oportunidade de usá-los, só raríssimas vezes. No Rio de Janeiro, eu usava bastante.
    Lindos poemas, lindos xailes!
    Um beijo!

    ResponderEliminar