domingo, 27 de janeiro de 2013

Sabedoria



Nos dias em que nada vale a pena,
E em que as árvores amigas
São iguais e estão vistas,
A vida é tão parada e tão serena
Que afinal já não há que contar mais,
E prevejo com olhos anormais,
As coisas imprevistas…
Nos dias em que são cinzentos os meus céus
- O de dentro e o de fora –
E é vaga esta noção de um velho Deus,
Que me não manda embora
Deste espectáculo estafado
Em que de cor sei dizer
O que me foi ensaiado
E o que todos vão fazer,
Tenho inveja dos homens convencidos
Que nem sequer sonharam
Que poderia haver paraísos perdidos,
Ainda não decifraram
Esta charada em que andam envolvidos
E pensam que, vivendo, triunfaram
Da Vida em que os que sonham são vencidos.

Francisco Bugalho

In: 'Canções  de entre Céu e Terra'. Ver :'o poeta que pintou a natureza'
Imagem:Paraíso perdido - net

28 comentários:

  1. Bom dia
    A vida e as cores de que se veste poderão ser ou parecer iguais na nossa caminhada.
    Penso que poderão ser diferentes se tivermos e quisermos viver com mais esperança.

    ...e Deus é nosso amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Caro Luís

      E, na verdade, a Natureza é uma fonte de vida e de cores. Por toda a parte vemos esta festa que muitas vezes não vemos, na nossa preocupação de correr atrás de coisas que nem sempre merecem a pena.Todas as estações do ano trazem a sua magia, cada uma com as suas características próprias o que nos mostra a multiplicidade de que se compõe. Assim como nós, seres complexos. Ao fim ao cabo trazemos no nosso íntimo a solução para muitos dos nossos problemas.

      A Esperança, um caminho promissor nesta nossa caminhada.

      Um bom fim de semana.

      Abraço

      Olinda

      Eliminar
  2. Excelente escolha...
    Convida à reflexão pelomuito que diz em pocos versi«os: uma mensagem riquísima de sentidos...matáforas que desvendamos e decompomos devagar....como quem saboreia "paraísos perdidos,"...
    BJ

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, BlueShell

      Concordo contigo. Penso que o autor permite-nos, com as suas palavras, entrever a rotina de um mundo que não nos levanta do chão. Falta de ideias, falta de sonhos? Desvendando e decompondo metáforas, analisando os dados da nossa vida quotidiana, detendo-nos nos pormenores, talvez cheguemos a encontrar o paraíso perdido dos valores e da ética.

      Fernando Bugalho atravessa o tempo e enquadra-se perfeitamente no nosso tempo, através das palavras desta sua mensagem.

      Beijos

      Olinda

      Eliminar
  3. Minha querida

    Um poema que nas entrelinhas fala tanto e tão actual.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Sonhadora

      É interessante verificar como a 'actualidade' viaja através das épocas e, dando razão aos que defendem que vivemos em ciclos históricos,detectamos, quase sempre, em ideias expressas noutros contextos, noutras vidas, algo, alguma coisa que nos diz respeito, que mexe connosco, não é?

      Por isso é que os escritores, poetas, pensadores,são tão importantes para nos situarem no tempo e através dele, chamando a nossa atenção, com a sua sensibilidade, para a necessidade de estarmos presentes quando a sociedade atinge níveis incomportáveis de carências espirituais e materiais.

      Beijinhos

      Olinda

      Eliminar
  4. Nossa que intnsidade e é bonito. Olinda vim te abraçar, é bom estar de volta junto as pessoas queridas minhas. Beijão linda!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Querida Fernanda

      Muito obrigada por ter aqui vindo dar-me parte do seu regresso e, também, por partilhar a sua felicidade com os amigos. Já fui visitá-la e aproveito agora para lhe desejar as maiores felicidades na sua nova vida, na construção da sua história a dois.

      Beijinhos

      Olinda

      Eliminar
  5. Belo poema, profundo e real. É assim que nos sentimos muitas vezes...sentimos que nada vale a pena...que andamos aqui " por ver andar os outros" como se costuma dizer. Andam cinzentos os dias...as almas e frios os corações. Mas não nos adianta pedir à vida que nos afaste disto, pois ela só nos leva quando quiser. Temos que fazer como diz o Oswaldo Montenegre: " pensar em coisas lindas " quando o desanimo chega. Muito obrigada, Olinda por este belo momento. Fica bem, amiga! Um beijinho
    Emília

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. E há tantas, tantas, não é amiga? Li o teu post com a intervenção de Oswaldo Montenegro e deliciei-me com as mil opções de 'coisas lindas' que o optimismo nos apresenta, um caminho que nos favorece em todos os sentidos.

      Lembro-me agora de um texto que encontrei na Net com o título, se não me engano, 'As coisas boas da vida são simples' e que, na altura, publiquei. Tive aqui a vossa presença e falámos imenso sobre isso, perante a maravilha que é tudo o que nos acontece de bom, no dia-a-dia, e a que nem sempre prestamos atenção.

      E não há dúvida, em relação à vida, é bom mesmo sermos nós a tomar as rédeas do nosso destino, não virando o rosto às dificuldades.

      Querida Emília, desejando um excelente fim de semana.

      Beijinhos
      Olinda

      Eliminar
  6. Olá amiga!
    Antes de mais obrigada pelo cuidado e pela presença solidária no meu blog.
    Este é um poema bem actual. Estamos nós também envolvidos nessa charada tão arreliadora!
    Um abraço .
    M. Emília

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Maria Emília

      Folgo com o seu regresso, sinal de que terá resolvido os problemas relacionados com as tempestades.Felizmente, nos últimos dias, o tempo tem-se apresentado de feição.

      Tem razão, charadas quase insolúveis, com um desenvolvimento diário alucinante. Cada dia que passa, um episódio mais completo que o outro.

      Um bom fim de semana.

      Bj

      Olinda

      Eliminar
  7. Poemas assim, fazem refletir, profundamente!
    Como viver sem sonhar, quando é o sonho que alimenta o viver?

    Um beijo, Olinda!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, querida Lúcia

      Apetece dizer como o nosso grande poeta F.Pessoa 'Deus quer, o homem sonha, a obra nasce' na sua preciosa obra 'A Mensagem'. É certo que ela foi escrita para assinalar a expansão portuguesa, logo com um intuito definido, mas são palavras que, pelo seu sentir poético, nos remetem para a necessidade de sonhar.

      Quase que ouso dizer que o materialismo ou um certo economicismo está a retirar-nos esta capacidade. E o sonho realmente alimenta a Vida; tudo começa pela elevação do pensamento, pelo desbravar de horizontes e debate de ideias.

      Beijo

      Olinda

      Eliminar
  8. Respostas

    1. Pois é verdade, remar, remar sempre, procurando arar o mar e vencer os ventos 'contrairos'.

      Abraço

      Olinda

      Eliminar
  9. Respostas

    1. Caro Fernando

      Muito obrigada.

      Um bom fim de semana.

      Abraço

      Olinda

      Eliminar
  10. Querida amiga

    Também sinto
    esta inveja...

    Que todos os dias
    os sonhos nasçam em ti,
    como nasce o sol pela manhã...

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Olá, Aluísio

      Eles não sabem que o sonho é uma constante da vida - diz outro poeta da nossa língua comum, António Gedeão.

      Obrigada, amigo, por esses votos tão lindos. A capacidade de sonhar mostra que estamos vivos e que conservamos em nós a chama de querer superar-nos e afastar o comodismo.

      Abraço

      Olinda

      Eliminar
  11. Temos que ter mesmo confiança nos novos dias.
    O nascer do Sol é mágico.
    Bom fim de semana.
    Bjs.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Irene

      A confiança e a fé em nós mesmos de que somos capazes de uma renovação de mentalidade. Estamos, segundo parece, numa fase de transição para uma outra era. Conscientes disto urge viver o presente preparando o futuro.

      E o Sol é mágico. Com ele tudo parece mais fácil. Mas também gosto de tempo chuvoso, de algum nevoeiro. Acredita? Trazem-me saudades indefinidas de um tempo já vivido ou que ainda viverei.

      :)

      Bjs

      Olinda

      Eliminar
  12. Olinda... A Sabedoria dos que buscam o Paraíso é algo tão maravilhoso, que desperta em mim a vontade de viver, viver, viver, viver...
    Meu Deus! Quão lindas são as almas daqueles que buscam a verdadeira Sabedoria!
    Sem dúvida nenhuma, estão mais próximos do Paraíso do que os que se vangloriam em NÃO SONHAR!
    Um abraço fraterno a ti amiga, obrigado por tuas palavras sempre Sábias, e de quem enxerga o mundo com a sapiência dos Mestres.
    Um forte abraço, beijos em teu coração.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu amigo Antônio

      Já tinha saudades das suas palavras veementes e apaixonadas, aqui no Xaile. Palavras de quem sabe dar valor ao sentido da Vida, sem perder de vista a nossa condição humana, carentes que somos daquele toque de espiritualidade que nos eleva e nos leva a fazer coisas sublimes, não raras vezes.
      É o que acontece, penso, com este nosso poeta que nos coloca estas interrogações e nos faz porfiar na procura da Verdade e da Sabedoria.
      Foi sempre assim, não é? E assim será, talvez, enquanto o mundo for mundo.O ser humano continuará o seu caminho à procura da Perfeição e do Sonho. Uma necessidade intrínseca.

      Um bom domingo.

      Abraço

      Olinda

      Eliminar
  13. Querida amiga

    Além de reler este
    texto,
    passo para deixar
    que fique a vontade
    para utilizar os
    textos que desejares
    em teu precioso
    espaço de sentimentos.

    Para mim,
    é um maravilhoso presente.

    Aluísio Cavalcante Jr.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Caro Aluísio

      Tão lindo e abnegado o teu gesto! Agradeço-te de todo o coração a permissão que me dás de trazer para o Xaile algumas das tuas palavras. Eu é que me sinto privilegiada com isso.
      Aviso-te quando eu lá for, sim?

      :)

      Abraço

      Olinda

      Eliminar
  14. Momentos de reflexão poética.
    Momentos em que os olhos cansados já não alcançam mais que a monotonia dos dias, das horas e das cores ou ainda dos conceitos conhecidos.

    Penso que a nossa posição será fugir deste "estado" e sonhar, amar, viver até para lá das estrelas e das coisas nunca vistas...

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Caro Luís

      São momentos como este que nos fazem sentir mais próximos porque vamos trocando ideias, indo de tentativa em tentativa ao encontro daquilo que poderia ter sido o intuito dos autores ao escreverem determinados textos poéticos ou prosa.

      O Luís disse uma coisa que me fez lembrar Descartes na sua dúvida metódica, 'Discurso do Método', que estou a reler, ao referir-se aos 'conceitos conhecidos'. De facto, ele resolve, no seu percurso, pôr de lado os conceitos e o método adoptados até à altura e tentar um outro caminho, produzindo novas ideias, logo, novos conceitos, a partir das ideias que nos são inatas. Claro que uns anos mais tarde os empiristas iriam contrapor esta tese com a de que todo o conhecimento é atingido através da experiência.

      São discussões como estas que nos permitem ir desbravando céus e terra 'para lá das estrelas e das coisas nunca vistas...', e que nos conduzirão, quem sabe, à produção de vias e canais para um melhor entendimento entre as diversas partes que constituem a sociedade.

      Meu amigo, foi um prazer, obrigada por este momento.

      Abraço

      Olinda

      Eliminar