domingo, 10 de junho de 2012

A peregrinação de um pensamento


A peregrinação de um pensamento,
que dos males fez hábito e costume,
tanto da triste vida me consume,
quanto crece na causa do tormento.

Leva a dor de vencida ao sofrimento;
mas a alma está, de entregue, tão sem lume
que, elevada no bem que haver presume,
não faz caso do mal que está de assento.

De longe receei, se me valera,
o perigo que tanto à porta vejo,
quando não acho em mi cousa segura

Mas já conheço (oh, nunca o conhecera!)
que entendimentos presos do desejo
não têm remédio, mais que o da ventura.

Luís Vaz de Camões


Banco de Poesia
Fernando Pessoa

12 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigada, Chana, pela visita.

      :)

      Abraço

      Olinda

      Eliminar
  2. E o que nos falta Olinda é colocar bandeiras nas janelas,colorir de vemelho e verde os nossos corações mostrando que temos orgulho no nosso país, porque afinal, nós somos a matéria prima deste país e se não tivermos entusiasmo, amor por aquilo que é nosso ele não vai para a frente. Há muita coisa boa a fazer-se por esse Portugal afora e se a alma..." elevada no bem que haver presume,
    não faz caso do mal que está de assento". Há males..há dores...há desacertos nos nossos corações e no nosso país, mas há muito bem...muita alegria...muito acerto. Par quê olhar só para o negativo?
    Um beijinho, amiga e obrigada pela partilha de tão belo poema
    Emília

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Emília

      No meio de escolhos e abrolhos há sempre uma florzinha silvestre a prometer vida e alegria. Eu acredito nisso e faço por encarar as coisas nesta perspectiva.Também gosto de ambientes festivos, de bandeiras desfraldadas, de sorrisos no rosto, de andar de braço dado, de dar um pé de dança, de uma sardinha no pão, de uma boa guitarrada, de valsar ao som de Strauss, enfim amo a vida e tudo o que de bom e genuíno ela nos
      oferece. E acredito também que há muita gente boa que se sacrifica e se solidariza pelo seu semelhante, há muita obra feita e a fazer-se...

      Estamos em sintonia. :)

      Beijinhos

      Olinda

      Eliminar
  3. Parabenizo por está colocando aos seus leitores uma obra de Camões direcionado e exaltando sua terra. Por isso é que dou valor aos grandes formadores de opinião, eles sempre sabem falar em prosa e versos as coisas essenciais que queremos ler e ouvir.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Lucidreira

      Da lírica camoniana constam tantos sonetos maravilhosos, não é?
      Há alguns que até fazem parte do nosso imaginário do tempo de estudantes, como, 'Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades...', 'Alma minha gentil que te partiste...','Naquele triste e leda madrugada...', com palavras que aquecem a alma.

      Gostei dessa sua abordagem, os prosadores e poetas são realmente formadores de opinião, questionando e colocando o foco no lado emergente da vida.

      Abraço

      Olinda

      Eliminar
  4. Por vezes esquecemo-nos de tão perfeito modo de "fazer" poesia. Esquecemo-nos de quão são imperfeitos os caminhos da "Viagem".

    Um belo espaço para repousar, aqui!

    L.B.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Lídia

      Obrigada pela sua presença e pelas suas palavras de apreço. E tem razão, este é, na verdade, um modo perfeitíssimo de nos fazermos acompanhar nesta nossa viagem, lendo e assimilando as composições poéticas de um mestre.

      Bj

      Olinda

      Eliminar
  5. Atrasada em relação ao dia, hoje prefiro lembrar outro grande português. Santo António de Lisboa.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Elvira

      Santo António de Lisboa ou de Pádua? :)) Para nós é sempre de Lisboa, não é mesmo? Santo António casamenteiro e das Marchas Populares... Gosto desta sua faceta. :)

      Bj

      Olinda

      Eliminar
  6. Magnífica escolha poética.
    Beijo, querida amiga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Nilson

      É um prazer ver-te por aqui.

      Obrigada pelas tuas palavras.

      Abraço

      Olinda

      Eliminar